Porquê Cabo Verde?

Maio 16, 2008 às 4:19 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade | 5 comentários

A pergunta que vem no título deste post foi colocada pelo autor cujo nome vem a seguir a esta nota introdutória e foi publicado na edição de 12 de Outubro de 2007 do jornal moçambicano ‘A Savana’. Aparentemente, o artigo pode ter perdido actualidade em termos temporais, mas a nível do conteúdo, faz todo o sentido a sua leitura. Desde logo, para termos uma visão de quem está de fora sobre o nosso país. Também porque, dois dias antes das eleições autárquicas, faz todo o sentido ler um artigo que aborda a questão do desenvolvimento do país, traçando coordenadas geográficas, históricas, políticas, sociológicas, entre outras. Por fim, porque o próprio autor do artigo acaba de ser notícia, por causa de ser o único jornalista a representar os PALOP no concurso “Jornalista Africano de 2008”. Por todos esses motivos, vale a pena acompanhar o autor neste “porquê Cabo Verde?”

.
Por Fernando Lima*

“Está em alta a publicações de índices internacionais sobre os mais variados assuntos. Ao nível dos Estados, argumentam os especialistas que esta visibilidade encoraja a noção de transparência que deve presidir à gestão da coisa pública.
Os governos e os seus propagandistas, sobretudo ao nosso nível, empurram para debaixo da alcatifa os maus resultados e puxam para as parangonas os números de prestígio. Há mesmo quem pratique ilusionismo com números e percentagens. Como aconteceu recentemente com o índice “fazer negócios” patrocinado pelo Banco Mundial. Moçambique teve mais notas negativas que positivas, mas como subiu algumas casas no “ranking” foi motivo de assinalável sucesso.
Mas é um outro país que me surpreende sempre pela positiva nestas estatísticas internacionais. Cabo Verde.
Quer se trate de corrupção, liberdade de imprensa, boa governação, fazer negócios, Cabo Verde é sempre o PALOP de vanguarda.
No índice mais consensual que é anualmente divulgado pelas Nações Unidas, o Índice do Desenvolvimento Humano, Cabo Verde ocupa o 106º. posto, bem à frente de todos os outros países PALOP. Moçambique, por exemplo, está no 10º. lugar a contar da cauda, o que não é mau para quem já foi mesmo último.
O que será que os cabo-verdianos fazem melhor que os seus irmãos PALOP ?
Recursos não têm. Aí os angolanos dão cartas mas nem por isso estão mais prestigiados pois ocupam habitualmente lugares abaixo dos seus “rivais” moçambicanos.
Cabo Verde de verde mesmo só tem o nome. Há excepção da Ilha de Santo Antão, onde cana de açúcar dá para fazer grogue em alambique tradicional, Cabo Verde é pedra e poeira.
Da independência a 1980 estiveram ligados ao projecto político que os uniu à Guiné-Bissau. Muitos quadros do movimento de libertação, o mais conhecido e prestigiado entre os PALOP, vinham de Cabo Verde. Os guineenses golpearam o presidente e praticamente expulsaram os cabo-verdianos do país, à mistura com muitos insultos. O que também acontece sem golpe em Angola e São Tomé onde há assinaláveis comunidades de caboverdianos. Da Guiné fala-se hoje como “estudo de caso” como Estado falhado. Mais fundo não pode bater, agora que parece um enorme acampamento do narcotráfico em trânsito para a Europa.
Os cabo-verdianos “refizeram-se” politicamente no arquipélago de chuvas avaras. Ultrapassaram politicamente os seus cismas “trotskistas”, uma relação difícil com a igreja católica que custou ao partido independentista a primeira eleição com sabor multipartidário.
Ao contrário do que aconteceu noutros processos africanos – veja-se a Zâmbia e o Quénia – o partido independentista não se desintegrou com a perda do poder. Deu a volta aos dinossauros, lavou a cara, refrescou o discurso e provou que também em África é possível a prática do paradigma da alternância democrática, sempre referenciada nos manuais de ciência política.
Há falta de recursos naturais argumenta-se que, sendo ilhas, é sempre possível atrair ajuda internacional. Tem alguma fundamentação, mas veja-se o caso de São Tomé, país muito mais pequeno, um aglomerado de famílias, mas onde os políticos andam invariavelmente de costas voltadas e os polícias se divertem em golpes e contra-golpes de opereta.
Com escassez de argumentação contrária até há quem diga que não são africanos. Como os etíopes que também têm as suas próprias teorias de identidade.
Arrisco um pequeno palpite numa semana em que discutia amigavelmente, em tempestade de ideias de fim de semana, alguns desafios ao desenvolvimento.
Uma das chaves do sucesso caboverdiano são os seus recursos humanos. E são os recursos humanos que alavancam – um jargão que está em moda – este pequeno país para os índices e “rankings”que conhecemos.
Há dias fiquei a saber que os dinamarqueses lideram o índice de felicidade. Fiquei frustado por não saber ocupado pelos caboverdianos.
Mas a julgar pelo agitar do “funaná” não devem estar mal cotados.

*Espinhos da Micaia

Fonte: SAVANA – 12.10.2007” [in  Comunidade Moçambicana]

5 comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. SILOE…Acabei de ler, num frenesim, o texto do FERNANDO LIMA. Eu cheguei a Mocambique(1957)com 16 anos,de Lourenco Marques fui a Beira e Chinde,para ficar em Quelimane.Trabalhei de 57 a 62 em toda a Provincia da Zambezia(Centro),fiz recruta em Boane(SUL)de Janeiro a Junho,e parti para o Norte(Guerra contra a Frelimo),no Batalhao de Cacadores de Nampula(Infantaria),de 1962(Julho) a 1964(Novembro),passando a disponibilidade.Ajudante de Escrivao no Tribunal de Nampula,etc.ate 1968,em que segui para Sul(Lourenco Marques)onde vivi ate 1979(11 anos)ate partida para Cabo Verde. Com 5 anos na Zambezia,6 no Norte, e 11 no Sul(22 anos de Mocambique),vou analizar esse escrito do JORNALISTA MOCAMBICANO e,com calma,sairao os MEUS COMENTARIOS…ate breve, Arnaldo M.Silves Ferreira

  2. Muito obrigado pela leitura e simpatia do comentário, Arnaldo. Vê-se que tem muita experiência da vida em África e isso lhe ajudará, com certeza, a formar um juízo sobre o que o autor moçambicano escreve nesse artigo. Um grande abraço,

    Silvino Évora

  3. Eu também faço a mesma pergunta “Porquê Cabo Verde”? Respondo por uma razão muito simples: inveja. Todos têm muita inveja de Cabo Verde e do nosso nivel de desenvolvimento.

    Por questionar sobre o facto de Cabo Verde estar sempre a frente dos irmãos PALOP, tabém está a por em causa os dados das Nações Unidas.

    Não é preciso ter um elevado numero de recursos para ser prestigiado: é preciso saber, com inteligência, gerir estes recursos.

  4. Olá a todos! Penso que todos os nossos irmãos ao invés de ficarem a lamentar essa mesma questão, que arregacem as mangas e toquem a trabalhar e acreditar em todas as vertentes- quando se levanta essas questão devia de se fazer referencias a coisas boas e seguir o modelo, não ficar a lamentar por toda vida.

    obrigada, um abraço a todos os africanos

  5. ### Eu mandei “algo” sobre este assunto, dirigido ao Jornalista FERNANDO LIMA…Poderei saber noticias sobre este assunto?…Nana dy Pala Lopy


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: