Nasce a ‘TVI 24’

Fevereiro 27, 2009 às 6:21 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade | 2 comentários

Ontem, quando era 21 horas, foi para o ar mais um canal de informação televisiva em Portugal. Há muito que a TVI, ou mais concretamente o grupo que a lidera (Media Capital), vinha lutando para ter o direito a um canal temático no espectro do cabo. No entanto, o processo foi bastante ‘ruidoso’, havendo várias investidas da Media Capital, no sentido de concretizar o negócio. Primeiro, começou-se a falar de um canal noticioso, de nome TVI Notícias. Não tendo sido concretizado esse objectivo, começou-se a ventilar a possibilidade de criar um canal voltado para a área económica: TVI Economia. Também essa ideia não passou disso mesmo. Mas, o grupo da TVI insistia com a TV Cabo no sentido de conseguir uma parceria para viabilizar o seu objectivo de alargar o seu espectro de canais. Por fim, acabou por ‘nascer’ ontem a TVI 24, um canal essencialmente informativo que já se vê confrontado com a seguinte pergunta: mais do mesmo (SIC Notícias e RTP-N) ou diversidade? Fica a questão. Quem quiser conhecer mais sobre o canal, é só ir a www.tvi24.iol.pt.

Anúncios

Dia Internasional di Lingua Maternu

Fevereiro 21, 2009 às 4:01 pm | Publicado em Ponto de Vista | Deixe um comentário

21 di febreru e Dia Internasional di Lingua Maternu. Es dia sa ta komemoradu desdi anu 2000 na sekuensia di se institusionalizason pa ONU na 1999 sob proposta di Bangladesh pa komemora masakri ki kontise nes dia na 1952 trokadu manifestason pa ofisializa ses lingua maternu.

Es anu li Nason Kabuverdianu sa ta komemora-l ku mas speransa – ma sa ta txiga prinsipiu di fin di pasa burgonha trokadu uzu sen nesesidadi di lingua ki se mai ka nxina-l, ma sa ta txiga prinsipiu di fin di njuria nos kriansas na skola ta po-s ta xinti konpleksadu ti ki kada kuza ki es fla, profesor(a) ta fla-s: Não se diz assim! – sima ki manera di papia di Purtugezis e Dios ki dexa. So atrazadu mental ki ka sabe papia. Nu sabe papia dretu! I dentu nos txon nu ka meste otu lingua pa nu komunika nos ku nos. So tolobasku ki ta uza guarda-sol dentu kaza!

Nu sta mas animadu pabia lijitimus reprezentanti des Nason dja propo, na anbitu di revizon di nos Konstituison, ofisializason di lingua maternu des Nason.

Tomara Deputadus Nasional ka ba repiti kes mentira ki sklavajistas/kolonialistas mete-nu na kabesa ku objetivu di po-nu ta dispreza nos kabesa pa obriga-nu papia ses lingua.

Nes anu ki nu sa ta pidi Mundu pa rekonhese Bersu di nos Nason komu Patrimoniu di Umanidadi, nos Stadu ten obrigason di rekonhese prinsipal elementu imaterial ki ta faze es Bersu un “Patrimoniu” = lingua ki es Bersu kria = na meiu di diferentis kriolu ki ten na un monti di paizis, di-nos e PRIMERU kriolu inventadu pa seris umanu = es lingua e nos PRINSIPAL kontributu kultural pa Umanidadi i el ka pode kontinua na kintal di se propi kaza.

Inspiradu pa sirkunstansia di N ser natural des Bersu, grasas a purmenor di N ta ntende 7 lingua i papia 5, trokadu ason dizalienanti di N ter studadu na 4 Universidadi di 3 tera non-luzofonu, nes ultimus tenpu N ten stadu ta faze alguns investigason relasionadu ku nos lingua pa tenta dismaskara alguns di kes kasi kontra nos lingua ki sklavajistas/kolonialistas mete-nu na kabesa.

Li di baxu, atraves di komentarius, ajentis di sklavajistas/kolonialistas ta kontinua ta spadja mentiras ku objetivu di atraza nos 3º libertason = libertason linguistiku. Ses diskursu ta muda sugundu konjuntura. Gosi txeu des e “fervorozus defensor di ofisializason di lingua kabuverdianu” so ki senpri es ten ki atxa algun kuza ki sa ta falta pa kunsa ofisializadu. So kel kuzinha… I ku es lenga-lenga di so un kuzinha ki sa ta falta o ki fazedu mariadu, es ta ba ta tra-nu di porta sima ki nos e bakan.

Si txeu di nos ka staba vitima di alienason, desdi nos primeru Lei di Organizason Pulitiku di Stadu di 1975 nu debeba ofisializa nos lingua. Es “kria kondisons” antis di ofisializason e falasia pa atraza kuza – ben fla-m li ki kondisons ki ofisializason ta inpidi o storba di kria?! Alias, e ka pursi ki pa Microsoft 1º kondison pa el inkorpora alfabetu di un lingua e ofisializason des lingua…

Na verdadi, pa promoson di nos lingua maternu, kondison INISIAL ki Stadu debe kria e se ofisializason. Ofisializason ki ta spanta alienadus/alienadoris, ki ta po-nu uza nos lingua ku mas moral i ki ta obriga Stadu dexa di rasta pe na kria kes otu kondison.

35 anu di blablabla dja txiga! Pa ofisializa lingua kabuverdianu GOSI!

MARSIANU NHA IDA PADRI NIKULAU FERERA

Regulação dos ‘Media’ na CPLP

Fevereiro 20, 2009 às 11:26 am | Publicado em Media & Jornalismo, Política | Deixe um comentário

“A Agência Nacional das Comunicações, ANAC, participa, esta quinta e sexta-feira, em Maputo, Moçambique, na primeira Assembleia-Geral da recém criada Associação de Reguladoras de Comunicação e Telecomunicações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ARCT-CPLP.

Nesta primeira assembleia, as autoridades reguladoras de Comunicações da CPLP vão eleger os órgãos da Associação e aprovar um plano de actividades a desenvolver neste ano. A ARCT tem como missão reforçar os laços históricos de amizade e cooperação existentes entre os países que integram a Comunidade, por via das suas autoridades reguladoras nacionais.

Pretende, ainda, através de um fórum permanente de troca de informação e de partilha de experiência, no âmbito da regulação do sector das comunicações, ser um estímulo à inovação e desenvolvimento das comunicações nos países envolvidos. A criação da ARCT-CPLP foi um dos projectos analisados, na V Reunião Técnica de Telecomunicações, que decorreu em Julho do ano passado, na cidade da Praia”. [in RTC]

20 de Janeiro para a História

Fevereiro 19, 2009 às 12:16 am | Publicado em Ponto de Vista | 1 Comentário

Embora atrasado, damos à estampa um texto de Ismael Silla, a quem agradecemos bastante. O texto foi-nos enviado há quase um mês, tentando reproduzir um momento histórico em que um negro chegou à Casa Branca para comandar o ‘navio global’. Consideramos que o olhar do autor é actual e pertinente, pelo que damos procedimento ao texto.

 

O dia 20 de Janeiro entra, definitivamente, para a história da humanidade! Esta data já era significativamente importante para nós os africanos, nomeadamente os Guineenses e os Cabo-verdianos, uma vez que assinala a data da morte de Amílcar Cabral, considerado o pai destas duas nacionalidades. Hoje, passados 36 anos do trágico acontecimento de 1973 em Conacri, junta-se um outro acontecimento, desta feita, de cariz mais universal: a tomada de posse de Barack Obama.

Precisamente no mesmo dia em que Cabral é assassinado, separado no espaço e no tempo, é certo, um negro chega pela primeira vez, à presidência da nação mais rica e poderosa do planeta. Estes dois acontecimentos, divergem apenas, no sentimento e na emoção, mas entre os seus protagonistas, isto é, entre Amílcar Cabral e Barack Obama, há grandes semelhanças. Se a morte de Cabral despertou raiva, revolta e sobretudo tristeza nas pessoas, já a tomada de posse de Obama representa a esperança e é sobretudo um acontecimento de grande alegria, euforia e de orgulho para os milhões de negros espalhados pelo mundo e não só.

Contudo, Cabral e Obama convergem em muitos pontos: ambos os líderes foram capazes de renovar as esperanças dum povo e dar-lhes novo alento e a certeza num amanhã melhor, graças às suas habilidades, visão e estratégia. À partida, tanto um como outro tinham uma tarefa espinhosa, senão mesmo, impossível pela frente.

Para Cabral, conseguir a libertação da Guiné-Bissau e Cabo Verde, dois países de recursos quase inexistentes, era uma utopia, ainda para mais, se levarmos em conta que foi pela via armada, embora não fosse essa a ideia inicial. Mas com a sua coragem e acima de tudo, capacidade intelectual, conseguiu chamar atenção para a causa e mobilizar apoios vindos dos países do bloco soviético (URSS, Cuba, China, Bulgária etc.), dos países socialistas (Suécia e Dinamarca), dos demais países africanos então independentes (Guiné-Conacri, Senegal, Marrocos, Tunísia, Argélia, Gana etc.) bem como das mais diversas Organizações Humanitárias e ONGs. E, com efeito, concebeu uma das mais bem elaboradas lutas de libertação de que há memória.

Ainda na mesma linha de grandes feitos, surge Barack Obama, um negro, ou se quiserem um afro- americano, filho de um queniano e de uma americana. Chegar à Casa Branca para este homem, a priori, julgava-se um tanto ao quanto impossível. Isto tendo em conta o passado não tão longínquo dos negros naquele país, privados das mais elementares liberdades e sujeitos a uma das maiores barbáries da história – a segregação. Factos esses que levaram à emergência de grandes líderes como Martin Luther king e Malcom X e o consequente assassinato dos dois antes de verem os sonhos tornados realidade.

Estes tristes acontecimentos, embora superados em grande parte, deixavam e continuam a deixar marcas e vestígios na sociedade norte americana e é neste contexto que a tarefa de Obama se afigurava improvável. Mas este, graças às suas habilidades, assentes na boa capacidade de persuasão, de conciliador e visão do futuro, conseguiu despertar o sonho e as esperanças adormecidas de milhões de pessoas, superou as barreiras raciais e fez o povo americano e do resto do mundo ouvir as suas mensagens.

 Martin Luther King afirmara no seu famoso discurso na marcha sobre Washington que tinha o sonho de um dia ver os seus quatro filhos pequenos viverem num país em que não fossem “julgados pela cor da sua pele” mas sim pelo “carácter do seu conteúdo”. Infelizmente o destino não quis que ele vivesse o suficiente para assistir o início da realização do sonho, mas coube a Obama dar seguimento e tornar realidade o sonho americano. 

Coincidência ou não, o destino juntou estas duas grandes personalidades nesta data tão célebre. O líder africano dizia que a luta armada e a consequente independência das suas pátrias não era o essencial, argumentava que o “objectivo maior” era como gerir o país depois da independência. Tinha a noção clara não só do caminho a percorrer assim como do destino final da sua acção. Da mesma forma que Barack Obama também afirmou que chegar à Casa Branca não era a meta mas sim a “oportunidade para proceder a mudança” que todos almejam. Ambos sonharam e deram tudo de si para que a “vida do homem se torne melhor no mundo” e acalentaram e continuam a acalentar o sonho e a inspiração de muitos de nós.  

 

Por Ismael Silla

EUA apoia comunicação social cabo-verdiana

Fevereiro 17, 2009 às 12:53 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade, Política | Deixe um comentário

“A comunicação social vai ser uma das áreas de apoio dos EUA. A garantia é da embaixadora, Marianne Myles, que faz saber que este é um dos “pilares fundamentais” para a democracia, e como tal constitui uma das fontes de investimento dos EUA, através do seu consulado no país. Alguns profissionais já beneficiaram do projecto, mas muitos são os que poderão vir a beneficiar desta iniciativa para o reforço da sua capacidade e da melhoria do seu desempenho no dia-a-dia. Reconhece a embaixadora que a comunicação social é um dos “pilares fundamentais”, ou senão, o mais importante para apoiar a democracia. Uma área “interessante, com desafios”, integrada numa das prioridades (educação/formação) do consulado americano, em Cabo Verde, e que tem como objectivo ajudar os profissionais a desenvolverem as suas capacidades para a melhoria do seu desempenho no seu dia-a-dia”. [in Expresso das Ilhas]

De volta aos ‘posts’

Fevereiro 17, 2009 às 12:33 pm | Publicado em Blogues: Media & Jornalismo | 3 comentários

Depois de alguns meses sem poder ‘postar’ neste blogue, eis que voltamos. Sabemos que passou muito tempo. O blogue parecia estar abandonado. Confesso que pensei algumas vezes se valia a pena dar continuidade a este blogue ou se o seu prazo de validade já tinha esgotado. No entanto, alguma coisa me diz que ainda falta algum caminho a ser feito por este blogue. Tenho a sensação de que ainda o tempo de vida deste blogue não acabou. Por isso, retomamos no ponto onde parámos, na certeza de que faremos o melhor, mesmo com pouco tempo.

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.