Michael Jackson

Junho 26, 2009 às 6:30 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Michael Jackson teve 50 anos para quebrar preconceitos, mudar a concepção da vida, da existência humana, das cores e da própria música. Apesar de todas as controvérsias que marcaram a sua passagem por este mundo, prefiro guardar uma Michael maior, que está acima de pequenas coisas mundanas. Portanto, para mim, fica esta imagem.

DIA DI KRIANSA AFRIKANU

Junho 26, 2009 às 6:07 pm | Publicado em Política | Deixe um comentário

Na dia 16 di Junhu di 1976, la Soweto – Afrika di Sul, milharis di kriansas negru intxi rua, nun marxa ku kuazi 1 kilometru di algen, pa manifesta kontra kualidadi inferior di ses ensinu I PA EZIJI RISPETU PA SES DIREITU DI STUDA NA SES LINGUA MATERNU.

            Matadu ku tiru sentenas di kes kriansa. Mas, manifestason kontinua pa mas 2 simana. Mas di sen pesoa matadu riba kel matansa di manifestason inisial. Mas di mil pesoa fridu.

            Pa omenajia kes ki da ses vida i pa louva koraji di kes manifestanti, Organizason di Unidadi Afrikanu (OUA) stabelese Dia di Kriansa Afrikanu. Desdi 1991 ki Dia di Kriansa Afrikanu sa ta selebradu tudu 16 di Junhu.

            Kantu kes kriansa negru di Afrika di Sul labanta mon pa fla ma es kre studa na lingua ki ses mai nxina-s, na Afrika di Sul era brankus rasista ki ta mandaba i es ta maltrataba diskaradamenti negrus di kel tera la.

            Li na Kabu Verdi, na kel epoka, nu sa ta preparaba pa selebra 1º aniversariu di nos Independensia. Independensia ki ka traze fin di violason di direitus di kriansas kabuverdianu di studa na lingua ki es ta brinka na rua.

            33 anu dipos di matansas di kes kriansa trokadu ezijensia pa es studa na lingua ki es ta papia sima ar ki es ta respira, nos kriansas ten razon di sai na rua pa manifesta pa eziji es mesmu direitu enbora dja ten 34 anu ki nu konkista nos Independensia.

            UNESCO, ku bazi na investigasons sientifiku inisiadu na prinsipiu di anus 50 i atualizadu na inisiu di prezenti dekada, ta afirma ma susesu skolar ta midjora si mininu splikadu na lingua ki el ta ntende midjor.

            Komunidadi Internasional, konvensedu pa es verdadi (alias, evidenti), sienti di se inportansia, stabelese un monti di Konvensons Internasional di dezenvolvimentu di Direitus Umanu ki ta rekonhese direitu di kriansas di ser nxinadu na ses lingua maternu.

            Li na Kabu Verdi ten algen ki ka ta xinti vergonha di fla ma tudu kel la e ka-si. Ma mundu la fora sta dodu, xeiu di marsianus. Ma nu ka meste nos lingua. Ma prublema sta ku nos kriansas – un kanbada di burus, ki ka sa ta prende purtuges (un lingua ton sinplis) !

Alguns di nos Deputadus sta la, armadu na intelijentis, ta diskuti si e ovu o galinha ki parse primeru – istu e, si primeru debe kriadu TUDU kondisons pa kunsa ofisializadu nos lingua o si ofisializason e un di kes kondison inisial pa inpulsiona kriason di otus kondison ki ta alarga uzu di nos lingua.

Ti ki bu purtugunta es Doutus Deputadu kal ki e prejuizu si primeru es ofisializa lingua, es ta tra di ses kaxola difinison di ofisializason ki ta konve-s pa es mostra ma ofisializason e so na fin. Ti ki bu purgunta-s undi ki es atxa kel difinison di ofisializason, es ta komesa ta gagixa. Si bu insisti i purgunta-s si ka ten nenhun tera undi kel inplikason di ofisializason ki es kaba di da-bu ka  verifika desdi primeru dia di ofisializason, es ta atxa ma bu kre xatia-s.

ENTRIMENTIS, ka sa ta nxinadu nos lingua pabia el ka e ofisial i el ka sa ta ofisializadu pabia el ka sa ta nxinadu i pur isu algen ka sabe skrebe-l/le-l. KOITADU DI NOS KRIANSAS KI TA KONTINUA TA TEN NOTAS MARIADU NA SKOLA TROKADU PROIBISON DI NOS LINGUA MATERNU, ti dia ki parse un marsianu pa leba-s pa rua pa es sigi ezenplu di ses irmon di Afrika di Sul na dia 16/06/1976!

 

FORTI ALIENASON!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera

Jornalista cabo-verdiano laureado nos Estados Unidos

Junho 11, 2009 às 2:40 pm | Publicado em Media & Jornalismo | Deixe um comentário

Pedro C. by you.

O jornalista cabo-verdiano, Pedro Chantre, foi distinguido nos Estados Unidos com o “Prémio Metcalf”, considerado o maior Prémio de Jornalismo no Estado de Rhode Island. O jornalista foi laureado pela reportagem intitulada “O Passover judaico/cabo-verdiano: uma ligação ao passado”, publicado em Maio de 2008 no jornal The Voice & Herald.

O “Prémio Metcalf” procura distinguir trabalhos jornalísticos que promovam a integração das comunidades, estimulando a diversidade e a inclusão. Desta forma, como anuncia o Visão News, Pedro Chantre procurava, com a reportagem, anunciar “o encontro que um grupo de cabo-verdianos de descendência judaica realizou nas instalações da igreja católica de S. Patrick, na cidade de Roxbury, Massachusetts, para debater formas de preservar memórias da passagem dos hebreus por Cabo Verde. O evento se inseriu nas celebrações do Passover, uma festa com duração de sete dias, em que os judeus em todo o mundo comemoram a libertação dos seus ancestrais da opressão egípcia, há cerca de 3 mil anos”.

Recorde-se que o “Prémio Metcalf” é atribuído, anualmente, no Estado norte-americano de Rhode Island, homenageando o famoso editor do The Providence Journal, Michael Metcalf, que já não se encontra entre nós. O Prémio já vai na sua 18ª edição, tendo o jornal The Voice & Herald  sido distinguido no ano passado. Por isso, este ano apostou forte, submetendo à apreciação do jurado trabalhos de nove jornalistas, entre os quais, Pedro Chantre que se consagrou como um dos vencedores.

Para além da colaboração com The Voice & Herald, o jornalista Pedro Chantre também colabora com o Visão News, um diário electrónico da diáspora cabo-verdiana nos Estados Unidos, que foi fundado pelo antigo director e fundador do jornal A Semana, Jorge Soares.

Jornalismo: substituir o papel pela Internet pode ser mau negócio

Junho 11, 2009 às 2:24 pm | Publicado em Media & Jornalismo | Deixe um comentário

“Os jornais que abandonam as suas edições em papel e passaram a apostar exclusivamente nas edições online podem perder 75 por cento das receitas e também reduzir o número de visitas na Internet, dizem investigadores da Faculdade de Jornalismo da City University de Londres.
Os investigadores estudaram o exemplo de um jornal finlandês – um diário de informação económica chamado “Taloussanomat”, que acabou com a edição impressa em 2007 devido a um declínio do número de leitores e prejuízo.

No trabalho, a que chamaram “tirar o papel das notícias”, os investigadores concluem que, apesar de se acreditar que, se as notícias não existirem no papel, os leitores do papel vão engrossar os números no online, esse pensamento não podia estar mais errado. Isso pode acontecer inicialmente, mas o que se verifica a seguir é um decréscimo no número de leitores online. No acso do jornal económico finlandês o decréscimo de leitores foi de 22 por cento. O estudo apurou ainda que os leitores passaram a desperdiçar 75 por cento menos de tempo no site.

Feitas as contas, o título tinha conseguido reduzir as despesas em 52 por cento, mas diminuiu o investimento em 75 por cento.” [in Público]

Media Capital aliena Metro

Junho 11, 2009 às 2:19 pm | Publicado em Media & Jornalismo | Deixe um comentário

“A Metro Internacional anunciou ter chegado acordo para a venda de 80% do capital da empresa editora do jornal Metro em Portugal à Holdimédia, do empresário Alberto do Rosário.

Com este acordo, a Holdimédia torna-se na maior accionista da Transjornal – Edição de Publicações, empresa responsável pela edição do jornal gratuito em Portugal”. [in JN]

Crise atinge o salário dos jornalistas do Público

Junho 11, 2009 às 2:18 pm | Publicado em Media & Jornalismo | 1 Comentário

“A administração pretende reduzir os ordenados superiores a 1000 euros de forma escalonada, subtraindo-lhes entre 3 e os 12%, de forma a evitar o despedimento”. [in JN]

Internet e Liberdade de Expressão

Junho 10, 2009 às 11:31 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade | Deixe um comentário

 O Conselho Constitucional francês, equivalente ao Tribunal Constitucional português, chumbou o projecto de lei que pretendia criar uma entidade não judicial para cortar o acesso à Internet a quem fosse apanhado a descarregar conteúdos ilegalmente.
O conselho considerou hoje que a “Internet é uma parte do direito de liberdade de expressão e consumo” e sublinhou que “no direito francês, é a presunção de inocência que prevalece”, cabendo à justiça decidir qual a sanção a aplicar em cada caso de pirataria.
O diploma – aprovado o mês passado pela maioria da UPM no Parlamento francês com a oposição dos socialistas – previa um sistema de vigilância do tráfego na Internet. Quem fosse apanhado a piratear recebia um aviso por e-mail.
Se a prática continuasse, seguia-se um segundo aviso, desta vez por carta. Caso o utilizador não parasse de fazer downloads ilegais, o acesso à Internet seria cortado por um período que poderia ir até um ano. A mensalidade da ligação, porém, teria de continuar a ser paga”. [
in Público]

Cidade Velha: uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo

Junho 10, 2009 às 10:54 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Cidade Velha, situada na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, acaba de ser escolhida como uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo. De entre um rol de 27 candidatos de três continentes, a Cidade Velha conseguiu salvar a África Lusófona, já que as candidaturas provenientes de Angola e Moçambique não passaram. De resto, do lado africano, também conta a escolha de uma das maravilhas do Marrocos. Desta forma, a primeira Cidade portuguesa fora de portas está de parabéns, assim como Cabo Verde e todo o seu povo. Por agora, é esperar o desfecho da sua candidatura a Património Mundial da Humanidade. Também há um longo trabalho de reconstrução, preservação e protecção das ruínas da Cidade Velha para que torne, cada vez mais, numa maravilha viva e não numa maravilha morta.

“Trinta anos de ensino e de investigação” em homenagem a Aníbal Alves

Junho 3, 2009 às 4:09 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade | Deixe um comentário

Trinta anos depois do seu arranque, o ensino da comunicação social é discutido na Universidade do Minho. Este debate, que vai ter lugar no próximo dia 5 de Junho no Museu Nogueira da Silva, em Braga, integra um conjunto de actividades que marca a aposentação do Professor Aníbal Alves, fundador do curso de Comunicação Social da Universidade do Minho. Entre vários cargos assumidos na instituição, Aníbal Alves já foi Vice-Reitor da Universidade do Minho, Presidente do Instituto de Ciências Sociais e Director do Departamento do Ciências de Comunicação da mesma instituição.

 

O programa, como se pode ver no site da Universidade do Minho, contempla várias actividades:

 

10h00 – Abertura: Moisés Martins (Presidente do Instituto de Ciências Sociais), Helena Sousa (Directora do Departamento de Ciências da Comunicação) e Manuel Pinto (Director do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade), Universidade do Minho.

10h15 – Estudos de Comunicação: trinta anos de ensino e de investigação. Perspectivas e debate: Aníbal Alves (UM), Bragança de Miranda (UNL), José Paquete de Oliveira (ISCTE/Provedor do Telespectador), António Fidalgo (UBI) e Xosé Lopez (Univ. de Santiago de Compostela). Moderação: Helena Sousa.

12h15 – Almoço nos jardins do museu

14h00 – Palavras e melodia.

15h00 – Lançamento do livro de congratulação: Manuel Pinto.

16h00 – Encerramento.

 

“Democracia de audiência”

Junho 3, 2009 às 3:12 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade | Deixe um comentário

“Vivemos uma democracia de audiência, feita de comunicação social, sondagens e líderes, em que há uma espécie de sondocracia, de videocracia e de lidercracia”, resume Conceição Pequito, explicando as novas condições em que é exercida a política: “As sondagens funcionam como um escrutínio permanente ao eleitorado e é desse escrutínio que saem as ofertas políticas que os partidos direccionam, como produtos no mercado, para rentabilizar votos. Depois há a questão da videocracia, com o peso da comunicação social, que personaliza, por sua vez, os líderes. Tudo isto se vai afunilando, até que torna a sociedade civil claustrofóbica”. [in Público]

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.