CABO VERDE: 34 ANOS DE PARTIDOLOGIA

Julho 5, 2009 às 9:58 am | Publicado em Ponto de Vista | Deixe um comentário

Fosse ser humano, Cabo Verde estaria a tornar-se num país adulto, a quem se exigiria padrões de comportamentos consentâneos com essa fase de vida. Fosse Homem, Cabo Verde completaria hoje 34 anos de idade; fosse ser humano, Cabo Verde estaria hoje a atravessar a sua meia-idade, em que alguns projectos de vida exigir-se-iam que estivessem encaminhados, sob pena de se perderem no esvair do tempo. Não sendo Homem, mas sim um País, Cabo Verde é apenas um Estado adolescente, que muitas vezes dá sinal de infantilidade. Em 34 anos, o País já conheceu dois regimes políticos, o que o transporta para a sua segunda República. Depois de cerca de 500 anos sob o chapéu da colonização portuguesa, a independência chegou em 1975, depois de décadas de batalhas sangrentas na África Lusófona. Os cabo-verdianos, estes, não lutando no seu próprio país – porque ali não se desencadeou uma batalha militar –, tiveram que sair para fora: uns se alinharam com o regime colonial, indo combater contra os irmãos de sangue em Angola e outras paragens; outros se aliaram, nas matas da Guiné-Bissau, aos reivindicadores da autonomia.

Hoje, 34 anos depois de uma guerra que custou a vida a muita gente, verifica-se que muitos indivíduos ainda estão por identificar o verdadeiro sentido da palavra liberdade. Lutando essencialmente a favor de objectivos pessoais a partidários, vê-se que, a nível da organização interna do País, ainda falta um projecto mental de construção idiossincrática do cabo-verdiano como um ser que coloca os objectivos comuns muito à frente dos objectivos pessoais, partidários e de interesses sectários. Em muitos indivíduos, verificam-se comportamentos que indiciam um entendimento algo truncado do que é a coisa pública. Os partidos e os seus simpatizantes tendem, na maioria das vezes, a diabolizar o adversário e os seus militantes. Há uma exacerbação da colonização psicológica dos partidos sobre o comportamento dos indivíduos e, por mais que se procure as causas desse comportamento, apenas identifica-se elementos que jogam papéis catalizadores, não expressando a totalidade da razão do facto.

Em virtude desse comportamento partidológico (ou seja, os partidos dominam o campo psicológico dos indivíduos, sem que o interesse nacional seja colocado acima dos ‘interesses privados’, embora legítimos), o país já pagou algumas facturas e continua a pagar. A última é a Constituição da República de Cabo Verde que, em vias de revisão, tudo acabou em águas de bacalhau, com reais prejuízos para a melhoria da organização do Estado e da Sociedade. Mas, não é só a Constituição que está em causa. Temos vontade de ter um Provedor da Justiça e não conseguimos porque a partidologia é uma força maior do que a nossa capacidade de união para construir um país mais justo; faz-nos falta um Tribunal Constitucional que, para além de ser um órgão especializado na avaliação da constitucionalidade dos diplomas e das acções, actuando como uma instância correctiva de acções e omissões, aliviaria o Supremo Tribunal da Justiça, que seria mais célere em pronunciar sobre determinadas matérias, com vista a assegurar a eficácia da instância judicial. Não conseguimos isso porque temos dificuldades em aceitar, uns dos outros, opiniões contrárias. Por isso, antes de avaliarmos a posição dos outros, vem, em primeiro lugar, a desconfiança. Daí nunca se chegar a entendimentos que nos levam para caminhos que ponham, acima de tudo, os superiores interesses do país. Temos um órgão de regulação dos sector mediático – o Conselho da Comunicação Social – quase inoperacional, que não tem todos os membros colegiais e os que lá estão, para além da vontade de sair, têm o mandato caducado há bons tempos. Mesmo assim, não há confiança entre as organizações partidárias no sentido de estabelecer padrões de funcionamento desse organismo, quiçá partindo para uma nova modalidade de regulação da actividade da comunicação social, alterando o dispositivo constitucional que impõe o Conselho de Comunicação Social como entidade reguladora e partir para um padrão mais institucionalizado de regulação, em que a instituição tem uma sede, com funcionários que trabalham e se dedicam a estudar, a avaliar e a contribuir para melhorar o estado da comunicação social no país. Dou apenas estes três exemplos porque, se não, a lista será infindável. Portanto, só com esses exemplos dá para evidenciar alguns estragos que a partidologia tem feito a Cabo Verde.

Com tudo isso, não quero dizer que não devemos ter partidos, que não devemos militar em partidos, que não devemos defender os nossos partidos. Estes são, com certeza, muito importantes no funcionamento da democracia. Combater a partidologia não significa acabar com os partidos; não significa um retorno ao partido único. Seria um retrocesso com consequências nefastas incalculáveis para o País e para todos nós. Combater a partidologia significa que, num regime de democracia, tem que se identificar os verdadeiros papéis que os actores sociais devem desempenhar, de forma a que os partidos não continuem – tanto um como outro –, em virtude da sua chegada ao poder através da vitória nas urnas, a ser ‘força e guia da nação’. Se continuarmos a ignorar os reais interesses do país, a maturidade democrática de Cabo Verde continua adiada e continuamos, em virtude da nossa má concepção democrática, a ter um país de democracia para os partidos que, em virtude disso, continua adolescente. Por tudo isso, temos que fazer mais por Cabo Verde. Amemos o nosso país. Mas, não é só dizer que se ama porque, isso, todos dizemos. É preciso mostrar que se ama, com actos, acções e intervenções. Todos somos filhos da mesma Ribeira Grande e temos igual direito e dever de fazer mais para o nosso país. Por isso, antes de virem me perguntar o que tenho feito para o meu país, pensem no que poderão fazer para que cultivemos uma mentalidade libertária que nos leva para uma escala superior de organização da nossa sociedade, em que os partidos se transformem em instrumentos para resolver os nossos problemas e não o contrário.

DIA DI KRIANSA AFRIKANU

Junho 26, 2009 às 6:07 pm | Publicado em Política | Deixe um comentário

Na dia 16 di Junhu di 1976, la Soweto – Afrika di Sul, milharis di kriansas negru intxi rua, nun marxa ku kuazi 1 kilometru di algen, pa manifesta kontra kualidadi inferior di ses ensinu I PA EZIJI RISPETU PA SES DIREITU DI STUDA NA SES LINGUA MATERNU.

            Matadu ku tiru sentenas di kes kriansa. Mas, manifestason kontinua pa mas 2 simana. Mas di sen pesoa matadu riba kel matansa di manifestason inisial. Mas di mil pesoa fridu.

            Pa omenajia kes ki da ses vida i pa louva koraji di kes manifestanti, Organizason di Unidadi Afrikanu (OUA) stabelese Dia di Kriansa Afrikanu. Desdi 1991 ki Dia di Kriansa Afrikanu sa ta selebradu tudu 16 di Junhu.

            Kantu kes kriansa negru di Afrika di Sul labanta mon pa fla ma es kre studa na lingua ki ses mai nxina-s, na Afrika di Sul era brankus rasista ki ta mandaba i es ta maltrataba diskaradamenti negrus di kel tera la.

            Li na Kabu Verdi, na kel epoka, nu sa ta preparaba pa selebra 1º aniversariu di nos Independensia. Independensia ki ka traze fin di violason di direitus di kriansas kabuverdianu di studa na lingua ki es ta brinka na rua.

            33 anu dipos di matansas di kes kriansa trokadu ezijensia pa es studa na lingua ki es ta papia sima ar ki es ta respira, nos kriansas ten razon di sai na rua pa manifesta pa eziji es mesmu direitu enbora dja ten 34 anu ki nu konkista nos Independensia.

            UNESCO, ku bazi na investigasons sientifiku inisiadu na prinsipiu di anus 50 i atualizadu na inisiu di prezenti dekada, ta afirma ma susesu skolar ta midjora si mininu splikadu na lingua ki el ta ntende midjor.

            Komunidadi Internasional, konvensedu pa es verdadi (alias, evidenti), sienti di se inportansia, stabelese un monti di Konvensons Internasional di dezenvolvimentu di Direitus Umanu ki ta rekonhese direitu di kriansas di ser nxinadu na ses lingua maternu.

            Li na Kabu Verdi ten algen ki ka ta xinti vergonha di fla ma tudu kel la e ka-si. Ma mundu la fora sta dodu, xeiu di marsianus. Ma nu ka meste nos lingua. Ma prublema sta ku nos kriansas – un kanbada di burus, ki ka sa ta prende purtuges (un lingua ton sinplis) !

Alguns di nos Deputadus sta la, armadu na intelijentis, ta diskuti si e ovu o galinha ki parse primeru – istu e, si primeru debe kriadu TUDU kondisons pa kunsa ofisializadu nos lingua o si ofisializason e un di kes kondison inisial pa inpulsiona kriason di otus kondison ki ta alarga uzu di nos lingua.

Ti ki bu purtugunta es Doutus Deputadu kal ki e prejuizu si primeru es ofisializa lingua, es ta tra di ses kaxola difinison di ofisializason ki ta konve-s pa es mostra ma ofisializason e so na fin. Ti ki bu purgunta-s undi ki es atxa kel difinison di ofisializason, es ta komesa ta gagixa. Si bu insisti i purgunta-s si ka ten nenhun tera undi kel inplikason di ofisializason ki es kaba di da-bu ka  verifika desdi primeru dia di ofisializason, es ta atxa ma bu kre xatia-s.

ENTRIMENTIS, ka sa ta nxinadu nos lingua pabia el ka e ofisial i el ka sa ta ofisializadu pabia el ka sa ta nxinadu i pur isu algen ka sabe skrebe-l/le-l. KOITADU DI NOS KRIANSAS KI TA KONTINUA TA TEN NOTAS MARIADU NA SKOLA TROKADU PROIBISON DI NOS LINGUA MATERNU, ti dia ki parse un marsianu pa leba-s pa rua pa es sigi ezenplu di ses irmon di Afrika di Sul na dia 16/06/1976!

 

FORTI ALIENASON!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera

‘Jornalismo na Europa: Quem precisa de Regulação?’

Maio 9, 2009 às 6:24 pm | Publicado em Media & Jornalismo, Política | 3 comentários

No próximo dia 15  irá decorrer, na Universidade do Minho, a conferência ‘Jornalismo na Europa: Quem precisa de Regulação?’, organizada pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, tendo Helena Sousa como coordenadora. Pode ler-se no blogue colectivo do grupo de investigadores em Ciências da Comunicação da Universidade do Minho que “O encontro propõe-se aproximar perspectivas diferenciadas sobre as profundas transformações que estão hoje a ocorrer no campo jornalístico e respectivos desenvolvimentos ao nível dos mecanismos de regulação. Analisando as mudanças, procura-se, com esta conferência, contribuir para o desenvolvimento de uma leitura mais complexa das ferramentas reguladoras (internas e externas) com potencial para a defesa do jornalismo como um campo socialmente relevante. Os desafios colocados pela digitalização dos conteúdos, pela proliferação das plataformas e pelo crescimento exponencial de participantes na esfera pública digital estarão em cima da mesa”. [in Mediascópio]

Programa

15 de Maio de 2009 (9h30-18h)
B1 (CPII) – Universidade do Minho

09h30:   Sessão de Abertura
Moisés de Lemos Martins, Presidente do Instituto de Ciências Sociais
Manuel Pinto, Director do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade
Denis McQuail, Prof. Jubilado da Universidade de Amesterdão
Helena Sousa, Presidente da Comissão Organizadora

10h30   Intervalo para café

10h45: Reflectindo sobre a Incerteza: Quadros de Referência para Pensar a Regulação
Josef Trappel, Coordenador do EuroMedia Research Group e Professor da Universidade de Viena
Jeremy Tunstall, Professor Jubilado da City University, Londres
Kees Brants, Professor da Universidade de Amesterdão
Hans Kleinsteuber, Professor Jubilado da Universidade de Hamburgo
Moderação – Elsa Costa e Silva, Investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade

12h45   Intervalo para almoço

15h00: Mesa Redonda – Olhares Cruzados sobre as Práticas de Regulação em Portugal
José Azeredo Lopes, Presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social
Alfredo Maia, Presidente do Sindicato de Jornalistas
Afonso Camões, Presidente do Conselho de Administração da Lusa
Adelino Gomes, Provedor do Ouvinte da RDP
Moderação – Joaquim Fidalgo, Investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade

17h00: Sessão de Encerramento
Augusto Santos Silva, Ministro dos Assuntos Parlamentares
Moisés de Lemos Martins, Presidente do Instituto de Ciências Sociais
Manuel Pinto, Director do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade

 

[Fonte: Mediascópio]

Na falta de argumento, vamos à porrada

Maio 9, 2009 às 6:11 pm | Publicado em Comunicação e Sociedade, Política | 1 Comentário

O jornalista Sérgio Vinagre m Vizela, Portugal, há um jornalista que se queixa de agressões, que se sucedem a trabalhos de investigação feitos sobre as actuações da Câmara Municipal. Trata-se do jornalista do ‘Notícias de Vizela’, Sérgio Vinagre, que afirma ter sido agredido duas vezes em espaço de menos de um mês. O caso está a ser investigado pelo Ministério Público de Guimarães e, no caso da primeira agressão, aponta-se um funcionário da autarquia, devidamente identificado. No entanto, o presidente da Câmara, Francisco Ferreira, garante que “em Vizela nenhum jornalista foi agredido. Se este senhor foi, então veja lá o que anda a fazer para o merecer”. [in Correio da Manhã, via Mediascópio]

Revisão Constitucional e Serviço Público de Comunicação Social

Maio 3, 2009 às 10:48 pm | Publicado em Media & Jornalismo, Política | Deixe um comentário

Tendo dedicado uma parte significativa da minha vida ao estudo do jornalismo e, de uma forma mais abrangente da grande área científica das Ciências da Comunicação, investigando, particularmente nos últimos anos, as políticas de comunicação, na sua vertente correlativa com a liberdade de imprensa, no Cabo Verde da democracia multipartidária, tenho dedicado algum tempo para fazer reflexão sobre essa área nobre das sociedades democráticas, particularmente neste momento em que se prepara as bases para a revisão da Constituição da nossa República. Isto porque, sendo a Constituição da República o principal instrumento a partir do qual emana as grandes referências da organização e da orientação social, ela deve compreender as reais necessidades de um país, de forma a dar resposta ao processo de desenvolvimento de um país e, muitas vezes, ao processo de emancipação ideológica dos cidadãos. Neste sentido, o entrosamento entre a Ciência (munida dos conhecimentos adquiridos através de estudos teóricos, práticos e empíricos) e a Política (munida da sua capacidade de tomada de decisões) pode ser um caminho muito interessante para a natureza do produto final que se vai conseguir. Os pós-positivistas já tinham dito que, no processo de definição de políticas públicas (‘public policy process’), mais do que actores nacionais que lutam para alcançarem interesses específicos, também entram em linha de conta a interacção de valores, as normas que estabelecem a organização de uma determinada sociedade e as diferentes formas através das quais o conhecimento se manifesta. Isto porque, quem vai definir políticas às quais a sociedade é mais ou menos submetida tem que se munir de ferramentas cognitivas, tendo conhecimentos alargados sobre determinadas áreas da sociedade, de forma a que não haja um fosso enorme entre a orientação política e a situação social. Neste sentido, muitos estudiosos, entre eles Peter John, defendem que os processos de definição de políticas públicas (‘policy process’) traduzem-se numa disputa entre formas racionalizadas de produzir discursos. Ou seja, tal como não há bons actores políticos sem boas retóricas políticas, dificilmente haverá boas políticas públicas sem que haja boas capacidades discursivas. O discurso aqui é interessante porque, se nos regimes totalitários, o detentor do poder não tinha que prestar contas a ninguém, fazendo o que considerava adequado para os seus fins, em democracia, é preciso criar consensos, já que, sendo a maioria – ou aqueles que se conseguem passar por maioria – a detentora do poder, não há espaço para o seu uso arbitrário porque, senão, o partido eleito com uma maioria pode, facilmente, desaparecer do mapa político, quando a situação não se resvale para outras questões sociais mais preocupantes. Neste sentido, há várias linhas de investigação que trabalham essa questão de criação de consensos. Uma delas é a teoria política do sistema ‘networks’ que tem no Rhodes (com a sua obre ‘Understanding Governance’) um dos autores mais entusiasmante. Basicamente, o que defende essa teoria é que, de um sistema de governação ‘top-down’ (ou verticalizada, na minha concepção), em que haveria uma entidade que estava acima de toda a sociedade a partir da qual emanava as orientações gerais (esta entidade é o Governo), passamos, paulatinamente, para um sistema de governação em rede (‘networks’), que funciona, a meu ver, como uma teia de aranha, em que há vários intervenientes sociais, cujas opções sócio-políticas se entrelaçam. Desta forma, passa-se, na minha concepção, de uma governação verticalizada para um sistema horizontalizado e decisões públicas, já que, para além do Governo, a sociedade conta com outros intervenientes nas esferas de decisão, entre eles, os partidos políticos, as oposições, a sociedade civil, os grupos de pressão, as associações para o desenvolvimento e as diferentes organizações sociais. Para que haja um entendimento entre todos os actores sociais, a rede de decisores e influenciadores das decisões tem que funcionar de uma forma tão ‘perfeita’ para que os interesses não entrem em colisão. Essa ‘perfeição’ encontra-se numa orientação comum, que é o bem colectivo, ou seja, o bem comum. Assim, todas essas instituições, partidos, Governo, oposição, sociedade civil, empresas e ‘lobbies’, têm que trabalhar no sentido de promover e defender o bem comum. Só assim haverá um equilíbrio nas linhas políticas que se vai seguir para que haja boas decisões políticas que favoreçam a sociedade. Lembremos que na discussão que o Grupo de Revisão Constitucional do MpD promoveu em Lisboa, Mário Silva tinha falado na oportunidade que este momento de debate público sobre a Lei Suprema vai permitir para que haja uma ‘reconciliação constitucional’. No fundo, o que, implicitamente, quer dizer é que as negociações entre os vários actores intervenientes no processo de revisão constitucional têm que ir no sentido de que todos possam se reconhecer na Constituição; ou seja, tem que se criar consensos para que as negociações avancem. Se em muitas matérias o sistema de Governação em ambiente ‘network’ pode não funcionar na sua plenitude porque há decisões que os Governos legitimamente instalados podem tomar sem ter que ouvir muitos intervenientes sociais, a questão da Revisão da Constituição é uma das que mais favorece o funcionamento da rede de decisores. Desde logo, a Constituição da República exige uma maioria expressiva de deputados em concordância com a sua aprovação, o que, não sendo um Governo suportado em maioria qualificada, terá que haver consenso entre alguma oposição e o Governo, traduzido em ‘linguagem parlamentar’ por bancadas maioritárias e minoritárias. Por aí, já há uma possibilidade de ‘horizontalização’ das decisões já que, mesmo um Partido governando com suporte numa maioria absoluta, é obrigado a negociar com os ‘parceiros da governação’, entre eles a oposição. Uso a expressão ‘parceiros da governação’ – terminologia minha – para categorizar o estatuto da oposição numa sociedade democrática, já que, tal como o Governo, o Partido na oposição, tendo em conta a valorização e a protecção do bem comum, deve contribuir para o avanço da sociedade, apontando caminhos, pedindo contas, procurando soluções e corrigindo erros de quem está no poder que, naturalmente, os pode cometer. Portanto, qualquer oposição digna tem esse dever de contribuir para o desenvolvimento da sociedade, quanto mais não seja para dar satisfação às reivindicações dos seus próprios apoiantes. Tendo em conta que a democracia promove a discussão, potencia a criação de uma rede de decisores políticos e ganha com o debate em torno das questões centrais da sociedade, damos continuidade ao nosso debate sobre a revisão constitucional, olhando sobretudo para a comunicação social. Já dizia Jorge Miranda que a Constituição é a “Lei fundamental, Lei das leis, revela-se mais do que isso. Vem a ser a expressão imediata dos valores jurídicos básicos acolhidos ou dominantes na comunidade política, a sede da ideia de Direito nela triunfante, o quadro de referência do poder político que se pretende ao serviço desta ideia, o instrumento último de reivindicação de segurança dos cidadãos frente ao poder. E, radicada na soberania do Estado, torna-se também ponte entre a sua ordem interna e a ordem internacional”. A nível interno, a Constituição da República é um excelente instrumento de organização da sociedade, pelo que vincula imediatamente sobre a forma de estruturação do sector da comunicação social nacional. Relativamente à organização das estruturas mediáticas, devemos lembrar que, deste os primeiros tempos, os Estados sempre tiveram papéis preponderantes na instalação dos sistemas de comunicação social. Foi assim na instalação das tipografias de tipo móveis que permitiram a divulgação em larga escala dos conteúdos impressos; também aconteceu de um modo mais ou menos semelhante, quando as investigações começaram a apontar caminhos para a exploração da radiodifusão, embora neste sector, em muitos países, a curiosidade dos privados tenha sido fundamental; e também não foi diferente com o caso da televisão, que provocou uma revolução no sector da comunicação social, quando o mundo foi ‘desaguar’ dentro dos lares de cada um. Em quase todos os casos, as justificações eram as mesmas: ‘pelo facto do investimento inicial ser incomportável para o bolso do comum dos cidadãos, EU, o Estado, assumo a responsabilidade de investir nesse sector, ficando, na minha esfera de actuação, a sua exploração’. Ora, esse tipo de observação até não seria tão mau se em causa estivesse outro tipo de indústria, não uma indústria tão pesada e tão cara para a democracia, como a da comunicação social, capaz de ‘comprar’ o consentimento dos cidadãos, por via da propaganda. Foi isso que, ao longo da História, se registou um pouco por todo o mundo. A comunicação social, muitas vezes, não passou de instrumento de influência social dos poderes, no sentido de criar o consenso público à volta de um Governo, projecto político ou personalidade de uma dada cena política. A ideia é unir para reinar. Unir o povo em torno de um Governo para que este se perpetue no poder, enquanto aquele fique, literalmente, desprotegido perante as investidas do poder político. Dominique Wolton, um teórico francês sobejamente conhecido dentro do campo das Ciências da Comunicação, estudou a televisão europeia, para concluir que, por detrás do argumento de que o Estado asseguraria o funcionamento da televisão para evitar o peso que ela constituiria sobre o investimento privado, estava o receio de que esse novo ‘medium’ poderia ser uma grande ‘dor de cabeça’ para quem estava no poder. Se os políticos já estavam a ‘sofrer’ com a capacidade de influência social da rádio – que apenas diz, fazendo com que as pessoas criem uma imagem através das descrições, explicações e informações – imaginava-se a grande ‘cancabura’ que seria aceitar que os privados tivessem em mãos um meio tão importante e eficaz como a televisão, capaz de ‘despejar o mundo’ pelas casas das pessoas, com imagens, em directo ou em diferido, sons, ao vivo ou reproduzidos ‘a posteriori’, e um conjunto de conteúdos, benéficos, maléficos e para todos os gostos. Por isso, o monopólio público da televisão, que se implementou na Europa, não serviu, só para contrariar o modelo de privatização do espectro com que se arrancou nos Estados Unidos da América, dando uma dimensão europeia à televisão, mas também para censurar as vozes discordantes, no sentido da dar continuidade à filosofia de unir para reinar. No entanto, não iremos, por agora, trabalhar estas questões aprofundadamente. A televisão europeia seguiu o seu rumo, tendo, posteriormente, que admitir a inevitabilidade da entrada da ‘mão invisível’ nessa área de negócio e instalou-se um modelo de duplo controlo, com a reviravolta – para parafrasear Wolton –, em que a televisão do Estado perdeu o monopólio e passou a conviver com a concorrência privada, que levou algumas estações públicas para um grande pântano e só se tornaram sustentáveis porque contavam com a ‘mão visível’ (dinheiro) do Estado. De resto, os níveis de audiência eram de tal forma baixas, que nem sequer conseguiam fazer eco na sociedade. Em Portugal, por exemplo, antes da ‘migração’ de Emídio Rangel da SIC para a RTP1, esta desceu de tal forma nas audiências, que chegou, inclusive, a ser ultrapassada pela RTP2, que tinha uma audiência residual, de 2,9% (se a memória não me falha). No entanto, tendo tido um papel muito importante na dinamização da televisão privada, com a experiência que durante largos anos ganhou na SIC, a transferência de Emídio Rangel da estação de Pinto Balsemão para a estatal não foi apenas uma lufada de ar fresco para esta última, mas sim o desbravar de um novo caminho, em que, muitas vezes, imitando excessivamente as privadas, a RTP1 começou a encontrar um novo rumo, concorrendo directamente com as privadas, diminuindo o padrão substantivo dos seus conteúdos culturais, passando a promover o espectáculo, tendo transformado, à semelhança das outras estações, a redacção num verdadeiro palco de encenações, em que a notícia é misturada com os cenários tecnológicos, criando um produto difuso que, grande parte das vezes, extravasa as atribuições de um canal de serviço público. No entanto, esse caminho mereceu à RTP1 um lugar de destaque em relação às suas congéneres europeias, já que, na Europa, a maioria das televisões de serviço público tem uma audiência baixíssima. Isto pode levar-nos à questão: porque é que não concorrem directamente com os privados, como algumas vezes a RTP1 mostra fazer? A resposta a esta questão leva-nos ao clássico debate sobre o interesse público e o interesse do público; ou seja, entende-se que um órgão de comunicação social de serviço público deve orientar-se por um padrão distinto da qualidade dos conteúdos, diversificando as apostas, procurando cobrir a estratificação social e etária dos públicos, não ignorando as diversidades de áreas, segmentos, interesses e sensibilidades da sociedade. Isto para assegurar que, de alguma forma, senão todas as pessoas, pelo menos, todos os segmentos de públicos se revejam em parte de conteúdos que o órgão de comunicação social põe à sua disposição. A diversidade tende a dar satisfação à necessidade de pluralismo que impera sobre as sociedades democráticas, na medida em que tem que se ouvir as diferentes vozes e propostas para um país. É por isso que, mais do que dar à maioria das pessoas aquilo que elas, em cada momento, desejam consumir na comunicação social, a orientação por um padrão de serviço público de qualidade tende a dar resposta aos segmentos minoritários da sociedade, de forma a que estes não se sintam marginalizados. É por isso que as televisões de serviço público normalmente têm baixa quota de audiência. Portanto, fiz todo este enquadramento para mostrar que a filosofia do serviço público nasceu na Europa e evidenciar como é que se estruturou e em que bases se argumentou. É desse continente que foi importada para Cabo Verde, como, de resto, acontece com grande parte das soluções que adoptamos para a organização da nossa sociedade. O serviço público da comunicação social surgiu na Europa, mas com uma natureza censória, com vista a calar as vozes discordantes para que, quem estivesse no poder, continuasse ali. Esta é uma forma de corromper as ideias e as ideologias das pessoas para instalar-se um poder de natureza absoluta, que, em nada, beneficia os cidadãos. Robert Dahl, reputado cientista político, citando Alain, havia dito que, por natureza, o poder corrompe e, havendo um poder absoluto, ele corrompe absolutamente. Também Francis Balle, renomeado sociólogo francês, já tinha dito que se deve evitar o controlo estatal da comunicação social, na medida em que ele permite que alguém tenha o monopólio da verdade. E quem consegue monopolizar a verdade atinge o absoluto, não podendo ser contrariado, já que se assume como o único que sabe tudo. Acima do ‘absoluto da Terra’, só mesmo o ‘Absoluto Divino’, já que muitos monarcas que reinaram sob essa teia de regimes faziam crer que eram os únicos e féis representantes de Deus na Terra. Quando assim é, tudo aquilo que contraria o ‘sábio absoluto’ não passa de infame. Tudo isso para dizer o quê? Para lembrar que, quando meio mundo estava a se deliciar com as maravilhas da televisão, cujas emissões experimentais aconteceram na Inglaterra, em 1936, o pobre cabo-verdiano, ainda sobre a corrente a escravatura, andava de ‘cafuca’ e ‘podogó’. Tirando as aventuras de Hilário Brito – que, com a sua experiência adquirida nos Correios de Cabo Verde, sobretudo na área da Telegrafia – proporcionou aos cidadãos de Santiago, especificamente da capital do país, momentos de lazer, descontracção e alguma estetização emotiva da sociedade com a sua transmissão televisiva, só foi mesmo, em 1984, com o apoio desse mesmo Hilário Brito e do Governo português, que o Governo cabo-verdiano conseguiu instalar a famosa TVEC – tenho por mim que é a nomenclatura mais famosa que alguma vez já houve para uma televisão em Cabo Verde. Os passos da televisão em Cabo Verde, como em quase tudo na nossa sociedade, não deixaram de seguir o que se passou na Europa, embora, naturalmente, haja especificidades próprias da sociedade cabo-verdiana: a mesma obsessão do Estado em ter posse da televisão; o mesmo desejo de monopólio público; as mesmas críticas em relação ao espectro de controlo; as mesmas críticas em relação à amorfia da estação pública; a mesma falência espiritual do modelo de monopolização estatal; e a mesma aceitação da inevitabilidade da entrada da ‘mão invisível’. Porém, tendo em conta as características próprias do arquipélago, como já dissemos, as fases por que passou a televisão cabo-verdiana conta com as suas especificidades. Desde logo, a enorme carência de recursos materiais tem marcou o modelo de televisão instalado no país. Por outro lado, a falta de formação e conhecimento científico da área fez com que muitos profissionais tivessem seguido caminhos pouco condizentes com as atribuições de um profissional da informação; ainda, o ambiente idiossincrático cabo-verdiano marcado por séculos de colonialismo, tem estimulado a ‘obediência’; a falta de estruturas financeiras tem influenciado jornalistas e órgãos de comunicação social. Tudo isso ajuda-nos a explicar e a compreender o tipo de mercado que existe em Cabo Verde e, de alguma forma, a natureza do jornalismo e da comunicação social feita no país. Assim, se, na Europa, a televisão privada ditou o modelo de organização do sector, arrastando as públicas atrás da sua forma de se posicionar no mercado, em Cabo Verde, a televisão privada ainda está para nos explicar o que é que quer ser. As estruturas financeiras devem ser mínimas, as empresas de grande porte são residuais, o mercado publicitário é incipiente, já não se encontra dinheiro no chão – e mesmo que se encontrasse era quase como uma gota de água para a engenharia financeira que a televisão envolve – e, mesmo estando a construir uma parceria especial com a União Europeia, ainda o cabo-verdiano residente nas suas ilhas não tem como participar no sorteio do Euromilhões, pelo que a vida da televisão privada em Cabo Verde não deve ser propriamente um mar de rosas. Neste caso, o serviço público de televisão é muito importante. Por um lado, pode definir padrão de funcionamento, estimulando os privados. Por aí, estaríamos a fazer um caminho contrário à que a televisão europeia fez. Se, por um lado, na Europa, o aparecimento dos privados, ancorado numa forte estrutura financeira, arruinou o modelo de serviço público de televisão, obrigando muitas das televisões de serviço público a seguirem os passos das privadas, em Cabo Verde, tendo em conta a carência financeira das estações privadas, o Estado deveria servir como padrão, aumentando a fasquia da qualidade. Neste sentido, os privados teriam que seguir os seus passos, sob pena de ficarem irremediavelmente com uma audiência residual. Portanto, neste sentido, o Estado estaria a assumir o seu papel de regulador do sector, já que a regulação não se resume à criação de estruturas legislativas e entidades com atribuições reguladoras. Portanto, urge uma outra política de serviço público de comunicação social em Cabo Verde, já que, diferente dos países mais desenvolvidos, a entrada dos privados não significa a resolução dos problemas que o serviço público de televisão aparente ter. Neste sentido, sendo que os privados ainda não se constituírem uma alternativa, é o próprio Estado que tem o dever de assumir o seu papel na sociedade, beneficiando os cidadãos com a qualidade dos seus serviços e estimulando os privados à procura da qualidade. Portanto, nós devemos adaptar o modelo europeu à nossa realidade e não simplesmente assimilá-la. É que, se na Europa, os privados têm condições para montarem uma boa estrutura televisiva, que, muitas vezes, faz inveja aos próprios órgãos estatais, no nosso caso, as estruturas privadas têm condições mínimas, ficando ainda muito aquém do Estado cujo serviço é muitíssimo contestado. Por isso, a nós não nos interessa – como os europeus – abrir concurso e deixar a ‘mão invisível’ funcionar à sua maneira porque ela só funciona de forma desejável em contextos em que se suporta em condições adequadas. No entanto, no nosso caso, a ‘mão invisível’ não tem todos os dedos, pelo que considero desadequado entender que podemos atribuir licenças e deixar o mercado funcionar. Mas, qual mercado? Que mercado de televisão temos? Temos operadores licenciados que ainda nem sequer deram um sinal de vida. Temos uma TIVER que está a ‘gatinhar’ para ver se dá os seus primeiros passos. Temos uma Record que, suportada na estrutura da Igreja Universal do Reino de Deus – que tem a Record no Brasil como sua subsidiária –, a nem sequer se importar com o mercado de publicidade, já que lhe interessa mais o confessionalismo do que a actuação em prol de uma quota de mercado. Nestas condições, como é que vamos deixar o mercado funcionar? Há mercado aqui? Eu ainda não o vejo. Sendo assim, o papel do Estado no desenvolvimento do sector da comunicação social, apostando na sua autonomização, deve ser redobrado. Em Cabo Verde, há vozes que apontam para uma alienação total do Estado do sector da comunicação social. Muitos dizem que aquilo que a comunicação social do Estado proporciona aos cidadãos pode ser atendido pelos privados. No entanto, apesar de todas as críticas que se faz às estruturas de comunicação social estatais, os privados ainda estão longe de as alcançar. No panorama da rádio, creio que dificilmente se pode apontar diversidade de conteúdos e informação no sector privado como a que a RCV apresenta. No caso da televisão, onde as críticas são mais contundentes, creio que os privados ainda estão longe de alcançar a estação pública, quanto mais não seja em termos da cobertura nacional e da produção da informação. No entanto, tudo isso é insuficiente. Agora, se os privados não atingem o mínimo que o Estado dá, faz sentido que defendamos a saída total do Estado da comunicação social? Penso que não. Só se for numa fase muito mais avançada do desenvolvimento do sector da comunicação social em Cabo Verde. Contrário à saída, o que é preciso é que o Estado invista no sector da comunicação social, no sentido de melhorar a sua qualidade. É que se o Estado não conseguir fazer isso, ninguém ainda mostrou que consegue. O investimento aqui passa por várias intervenções: dotar os meios de comunicação social de instrumentos materiais para cumprir as suas obrigações; trabalhar na autonomização dos meios de comunicação, cortando com o circuito interventivo dos Governos através de nomeação do Conselho de Administração das empresas estatais da área, seguindo-se-lhe toda a cadeia de comandos (as próprias Comissões que estão a trabalhar na questão da revisão da Constituição da República poderiam estudar um enquadramento constitucional do figurino de legitimação dos directores dos órgãos estatais de comunicação, cujo cargo deveria passar mais por uma evolução interna dos profissionais do que a nomeação directa. Por outro lado, as atribuições do Conselho de Administração deverão ser repensadas, na medida em que, mesmo que o director resulte de uma política de evolução interna, se estiver em total dependência financeira do Conselho de Administração e este continuar a ser nomeado pelo Governo, continua o director ‘entalado’ numa estrutura que o sufoca e não lhe permite implementar as suas políticas); promover o profissionalismo dos jornalistas, através de formações generalizadas que elevam o nível da classe; fazer a necessária reestruturação do sector que, em quase 20 anos, ninguém conseguiu fazer (não venham me dizer que a junção de empresas públicas sob uma mesma plataforma de gestão se trata de uma verdadeira reestruturação do sector da comunicação social porque isso não passa de sinergia administrativa); estabelecer o Contrato de Concessão de Serviço Público – previsto –, definindo a engenharia financeira envolvente e as atribuições dos órgãos de serviço público; dar eficácia à fiscalização das atribuições dos órgãos do serviço público de forma a que alcancem os objectivos definidos (se olharmos para a Constituição, a Lei e o que tem sido a TCV, notamos que, desde 1992, ela vem operando numa ‘inconstitucionalidade por omissão’, entrando numa ‘ilegalidade por omissão’ a partir de 1998, com a publicação da Lei da Televisão. Isto porque, a estação pública tem estado longe de alcançar os padrões de qualidade que a Constituição e a Lei determinam como estruturas orientadoras do seu funcionamento); promover a Carteira Profissional dos Jornalistas, definindo a política de acesso à profissão, privilegiando vectores como o mérito e a formação; ancorar a regulação por via da definição do padrão de qualidade através dos órgãos de serviço público à regulação institucionalizada, promovendo a regulação independente e estimulando a promoção e desenvolvimento de mecanismo auto-reguladores, no sentido de se encontrar um equilíbrio entre a liberdade de imprensa e a responsabilidade social dos ‘media’. Tudo isso são caminhos, possibilidades e, diria, oportunidades que estão à disposição de quem vai trabalhar a Revisão da Constituição da República, se realmente queremos uma sociedade que desenvolva a crítica, promova o pensamento divergente, aposte na diversidade e encare a comunicação como chave para a solidificação do sistema democrático. Nestas questões, não se deve ficar pelos discursos. Que a comunicação é factor de reforço da democracia, já a ouvimos muitas vezes. Nós queremos é que ela seja transformada mesmo nesse elemento intrínseco ao desenvolvimento do sistema democrático. Em Cabo Verde, temos que perceber que a comunicação social é uma oportunidade de desenvolver o pensamento, as consciências e a própria democracia, potenciando o desenvolvimento do próprio país. Não conhecemos países em que se conheceu grandes avanços sem que haja avanços na mentalidade das pessoas e na forma como elas deitam o olhar sobre a sociedade. Neste sentido, a comunicação social figura-se como um importante elemento da modernidade democrática, capaz de contribuir e promover essa abertura de mentalidade. É uma oportunidade para todos nós, badius e sampadjudos, MpD, PAICV, UCID ou outros, escolarizados ou não. Portanto, não devemos descurar mais essa ferramenta porque, se os partidos se alternam no poder, a Constituição da República é o pilar que lá fica para suster uns e outros que vêm e vão. Recordemos, portanto, que, depois da TVEC, veio a TNCV e, em 1992, por imposição constitucional, ficou assente que o Estado asseguraria um serviço público de radiodifusão e de radiotelevisão de qualidade, sendo que, para isso, teria de celebrar um contrato de concessão de serviço público com a empresa gestora dos dois órgãos, neste caso, a RTC. Ora, de 1992 até hoje, contam-se 17 anos e nesse meio tempo não há contrato de concessão, não há qualidade no serviço público e não há forma de os cidadãos terem melhor televisão nacional, sendo que, ainda que os privados tenham entrado, não conseguiram agitar as águas, no sentido de fazer ‘mossa’ à televisão do Estado. E ficamos nisso. Mas isso tem um nome: ‘Inconstitucionalidade por Omissão’. As Ciências Jurídicas tratam muito bem desta questão. O serviço público que o legislador constitucional prometeu aos cabo-verdianos – que ele pensava que seria de qualidade – está longe de chegar ao espírito da lei. Neste sentido, tendo em conta o período de consulta pública para a revisão constitucional, sugeria que quem está à frente desses processos, independentemente dos partidos aos quais está vinculado ou não, pensasse em rever essas questões de serviço público, quanto mais não seja para dar aos cidadãos o mínimo de garantias de que as leis que se produzem neste país passam de mortuários jurídicos.

Revisão Constitucional e Regulação Profissional da Comunicação Social

Abril 20, 2009 às 9:20 pm | Publicado em Media & Jornalismo, Política | Deixe um comentário

Se a regulação sectorial da comunicação social é importante, havendo a necessidade de se assegurar entidades independentes capazes de garantir a independência dos órgãos de comunicação social e assegurar a qualidade dos conteúdos que chegam ao espaço público, a verdade é que essa não é a única porta pela qual o problema da falta de qualidade nos órgãos de imprensa pode ser atacado. A regulação profissional também é muito importante nesta matéria e, para situarmos melhor o nosso contexto de debate, deitaremos mão a algumas concepções teóricas, que muito nos servem para ajudar a explicar a profissionalização do jornalismo.

A Sociologia das Profissões dá-nos contributos importantes para compreender o estabelecimento de algumas profissões, entre elas a do jornalismo. A tese de doutoramento de Joaquim Fidalgo, jornalista e docente da Universidade do Minho, vai ‘pescar olhos’ a essas concepções teoréticas para enquadrar a profissão de jornalismo, evidenciando as suas especificidades e, inclusive dificuldades de afirmação, em comparação com as profissões estabelecidas, como as de médico, advogado, engenheiro ou enfermeiro. O princípio de diferenciação é um daqueles à qual se deita mão para explicar a peculiaridade do jornalismo enquanto profissão e, neste caso, Joaquim Fidalgo recorre a Pierre Bourdieu que concebe o ‘mundo social’ como “um espaço (a várias dimensões), construído na base de princípios de diferenciação”. Desta forma, a emergência do jornalismo como uma profissão resultou-se de um esforço de sentido de definir uma actividade profissional com características que lhe são próprias, capazes de lhe tornar singular, diferenciando-se das demais categorias de actividades. Como diz Joaquim Fidalgo, esse procedimento começou por explorar as vertentes negativas, tentando distinguir aquilo que era jornalismo do que não era: “nem uma tribuna de propaganda política e proselitismo partidário, nem o espaço mais alargado (em termos de difusão pública) para os escritores interessados em publicar as suas crónicas ou os fascículos dos seus romances, nem a tribuna pessoal de quem queria promover-se e à sua carreira, nem o registo burocrático das singelas informações sobre a cotação dos produtos no mercado e do seu trânsito comercial. Tratava-se, aqui, essencialmente de definir uma ‘fronteira’ – termo que Ruellan (1997) vai buscar à geografia humana e que considera bastante útil no contexto da sociologia dos grupos profissionais, ilustrando a ocupação, por um determinado grupo, de um terreno virgem que se vai ‘demarcando’ até à linha separadora de outros terrenos/actividades vizinhas, mas também concorrentes” (Fidalgo, 2005: 67). Desta forma, é possível verificar que o surgimento do jornalismo enquanto profissão teve como princípio básico definir o que é jornalismo e o que não é, o que diferencia o jornalismo dos territórios profissionais ou ocupacionais vizinhos. Para isso, tinha que se identificar o que o jornalismo tem de genuíno, que pode constituir a sua solidez profissional. Ora, perguntaria: será que, em Cabo Verde, já se fez esse distanciamento do jornalismo em relação a outras profissões ou ainda temos uma amálgama de coisas ligadas à escrita que cuja fronteira ainda não foi bem definida?

Iniciámos com o regime de Partido Único, depois da independência nacional, e em certos sectores de actividade demos continuidade à forma de procedimento perdurante no sistema colonial. Assim como não se trabalhou no sentido de se empreender uma ‘ruptura profissional no jornalismo’ do colonialismo para a independência, também do Partido Único para o multipartidarismo, as coisas foram deixadas ir ao sabor do vento. É claro que, da parte dos jornalistas, houve novas atitudes, mas não conseguiram correspondências com a natureza do regime, não chegando de estar a par daquilo que se exigia com tudo o que a isso se associava. Não se trata de culpabilizar eminentemente a classe dos jornalistas, mas o processo de democratização do país teve os seus problemas e a falta de cultura democrática no seio dos partidos fez com que houvesse algum percurso pouco abonatório para a afirmação da profissão de jornalismo, como a multiplicação de processos judiciais contra os profissionais do sector.

Se, nos primórdios do jornalismo, a definição profissional de jornalista passava, antes, por saber o que era jornalismo e o que não era, em Cabo Verde, a regulação profissional do sector da comunicação social impõe que se procure saber exactamente quem é jornalista e quem não o é. Em poucos países de Desenvolvimento Médio, democráticos e organizados em Estado de Direito, a profissão do jornalismo está tão ‘abandalhada’ como se verifica em Cabo Verde. No nosso país, qualquer um que decide escrevinhar o seu texto é considerado de jornalista, independentemente da sua preparação, formação académica, experiência profissional ou mesmo capacidade de distinguir o que é um texto jornalístico – essencialmente informativo, de tendência neutra, com possibilidade de fazer análise a partir de correlação de informações e de factos – do que é um texto opinativo, bastante subjectivo, por vezes nada factual, tendenciosa certas vezes e que não está ancorada à obrigatoriedade de formar e informar as pessoas, mas pode estar mais voltada para a defesa de pontos de vista, objectivos ideológicos, pessoais, políticos ou de outra ordem.

A classe jornalística do ‘Cabo Verde independente’ começou a compor-se depois da independência nacional, quando grande parte da população nacional tinha fraca instrução académica. Portanto, não era só em jornalismo que se encontrava pessoas com formação deficiente, se for comparada com a exigência do cargo. Durante o Partido Único, em algumas situações – com salvo respeito para alguns profissionais competentes que entraram nos órgãos e fizeram uma carreira de louvar – o sector do jornalismo não passava de um local de ‘desterro’ de profissionais inabilitados para fazer tudo o resto. Quando alguém não sabia fazer mais nada e era complacente com as investidas do poder instalado, era-se ‘despromovido’ para o jornalismo. Ou seja, o jornalismo começou por ser uma espécie de FAIMO, uma grande Frente de Alta Intensidade de Mão-de-Obra, que fez com que os órgãos entrassem para a democracia com um excesso de gordura, padecendo de duas situações conflituantes: excesso de pessoal e, ao mesmo tempo, falta de pessoal produtivo. A esses problemas, veio juntar-se mais o do avolumamento de excesso de pessoal, quando um novo partido chegou ao poder e um avalanche de pessoas voltaram a entrar para o jornalismo: daí os anos 90 terem sido conflituantes entre a própria classe, já que havia uma discussão enorme entre os profissionais com formação e os profissionais sem a desejável formação. Hoje parece que esse problema foi ultrapassado, mas ainda não. Desenganem-se os que pensam que sim. É basta se começar a falar com profissionais formados para perceber-se que se sentem incomodados quando vêem pessoas sem a formação adequada na área à frente dos órgãos.

Portanto, uma das soluções é pegar na situação que temos, em Cabo Verde, e construir uma saída. Vê-se que a discussão do Estatuto do Jornalista está a dar muitos problemas. E a saída passa por disciplinar a profissão do jornalismo: ou seja, a tal regulação profissional de que falamos. Ela tem como base a atribuição da Carteira Profissional aos jornalistas, coisa que teima em não acontecer. Em 2004, o Governo criou o Regulamento para o funcionamento da Comissão de Carteira Profissional do Jornalista. Sendo a comunicação social tomada como o ‘parente pobre’ da nossa sociedade, facilmente decidiu-se transferir a magistrada que já tinha sido destacada para presidir a Comissão da Carteira para a Comissão Nacional das Eleições, deixando a primeira desfalcada. Resolveu-se o problema, recentemente, com a eleição de um novo representante e inclusive a Comissão de Carteira Profissional já tem instalação na Casa da Imprensa, mesmo ao lado da Secretaria da Associação dos Jornalistas de Cabo Verde. Mas, até ainda, não se vê nenhuma carteira profissional atribuída. Ora, isso não pode continuar assim. O jornalismo não pode continuar a ser a ‘terra de ninguém’. No âmbito do processo de revisão constitucional, cuja consulta pública está em curso, essas situações não podem ser esquecidas. Há que dar alguma protecção e dignidade à classe dos jornalistas porque, caso contrário, o avanço harmonioso da nossa sociedade fica adiado. Não há qualquer dúvida que, numa democracia em que a comunicação social funciona de forma indigna, a própria democracia está condenada à indignidade. A verdade é que a imprensa livre e funcional é o oxigénio de qualquer democracia que quer ser plural e funcional. Não podemos deixar a comunicação social na rua da amargura, transformando-a em ‘terra de ninguém’, onde qualquer um pode entrar e operar sem prestar contas a ninguém. Educar a ‘composição psíquica’ das pessoas é uma atribuição demasiado importante para ser deixado ao critério de ‘quem sabe mais conta melhor’. Devemos sair desse cliché histórico para passarmos a determinar que, quem sabe melhor, deva contar mais.

Ruellan (1997) – citado por Fidalgo (2005) – ajuda-nos a determinar quatro momentos de evolução da profissão do jornalismo. O autor estudou especificamente o caso da França, mas o seu modelo aplica-se em grande parte dos países da Europa Ocidental, cuja a trajectória da imprensa teve as suas especificidades de país para país, mas também tem os seus pontos concordantes.

  1. Os primórdios da actividade, que antecedeu o surgimento da imprensa industrial – que ocorre a partir dos meados do século XIX;
  2. O período da capitalização dos efeitos da industrialização, que provou incremento da actividade económica dos ‘media’, marcado essencialmente pelo surgimento da imprensa privada;
  3. O lapso de tempo que mediou as duas Grandes Guerras, em que houve ganhos significativos a nível da definição de um quadro legal e institucional para a profissão;
  4. E o período que se seguiu à Segunda Guerra Mundial, enquanto etapa de consolidação dos ganhos anteriores.

No entanto, quanto a nós, é momento de perguntar, em que período a nossa imprensa se encontra, quais são os ganhos que ela já conheceu, onde é que pretendemos chegar com ela, o que teria que ser feito para chegarmos à meta desejada e quanto tempo mais temos que esperar para ver a comunicação social a dar um passo significativo? Num país onde não há carteira profissional, onde todos entram arbitrariamente na profissão, onde os conselhos de redacção não funcionam, onde praticamente não há regulação institucional, onde muitas vezes a lei não passa de ‘letra morta’, onde não há uma política séria para o sector da comunicação social, quem conseguir responder a todas as questões que acabei de levantar praticamente encontrou a chave para o desenvolvimento do sector da comunicação social em Cabo Verde. Não é impossível. É preciso tentar. E quem trabalha na revisão constitucional tem uma boa oportunidade para isso.

 

 

_______________________

Fonte: Fidalgo, Joaquim: “O Lugar da Ética e da Auto-Regulação na Identidade Profissional dos Jornalistas” (Tese de Doutoramento); Universidade do Minho, Braga, 2005.

Revisão Constitucional e Regulação Sectorial da Comunicação Social

Abril 7, 2009 às 9:19 am | Publicado em Ponto de Vista | 2 comentários

.

A revisão da Constituição da República é um dos momentos políticos mais importantes de um país, na medida em que, em quase todos os países modernos, decidiu-se consagrar a forma da organização institucional em Constituições. Portanto, por consagrar matérias ambivalentes, que procuram cobrir todas as preocupações de uma sociedade, ainda que de forma genérica, o ideal seria que todos pudessem pronunciar-se sobre as matérias protegidas pela Constituição. Mas, isso é impraticável, assim como seria impraticável a ideia de democracia em que todo o povo governa o país a que pertence. Daí partir-se para o sistema de representação, em que a vontade de povo está confiada a um ou a vários representantes designados para o Parlamento, para a assegurar, defendendo os seus direitos.

No entanto, como todos os cidadãos de um país não podem pronunciar-se sobre as matérias abrangidas pela Constituição da República, não significa que somente os dignos representantes do povo têm palavras a dizer nessa matéria. Há especialistas, grupos profissionais, associações distintas, profissionais experimentados, estudiosos e personalidades diversas que merecem ser ouvidos, quando está em causa a questão da revisão da Constituição, já que, depois da sua aprovação, muitos dos seus preceitos terão efeitos directos sobre a vida dessas pessoas e não só. Essa recolha de subsídio intelectual na sociedade civil com vista a se aprumar ideias sobre as matérias a consagrar na Constituição da República representa um ganho enorme para a democracia, que é complacente com o cruzamento de olhares sociológicos, pluralidade de pensamento, diversidade de opinião, procurando atingir uma concepção plausível do bem comum. Ora, essa concepção passa por um entendimento de justiça social, em que as leis que compõem o ordenamento jurídico de um país procuram reflectir as aspirações de um povo, sob pena de caírem na ineficácia, não produzindo efeitos. Portanto, neste sentido, o recurso à diversidade de especialistas tem um papel fundamental para a ‘justiça legislativa’.

Ora, a matéria que trazemos a debate hoje é a questão da regulação da comunicação social, um sector espezinhado durante o Colonialismo, amargurado durante o Partido Único e sofrido na Segunda República. A questão da comunicação social devia preocupar todos os cidadãos nacionais. Desde logo, lembrava que o Direito de Informação – o de informar e de se informar – só faz sentido porque existe o Direito à Informação. Parecem igual, mas não o são. O Direito de Informação recai sobre o perímetro de realização profissional do jornalista, a quem é garantido a possibilidade de ter acesso às informações de interesse público para poder informar os cidadãos. Por seu lado, o Direito à Informação é o direito do cidadão de ser informado pelo jornalista, e, na sua vertente negativa, recai sobre este como um dever. Ou seja, o jornalista não só tem o direito de se aceder às informações importantes para o conhecimento público, como também tem o dever de informar os cidadãos. Trata-se de um dever profissional, confinado à deontologia profissional do jornalismo, do qual nenhum jornalista digno desse nome pode fugir. Ou seja, na prática, o jornalista é confrontado com duas opções: ou informa o cidadão ou deixa a profissão. Mas, como para tudo na vida sempre surge uma terceira via, neste caso encontra-se pessoas que se respondem por jornalistas e que não estão minimamente preocupados, nem com o dever de informar os cidadãos, nem com a qualidade do trabalho jornalístico que a democracia exige. É, por isso, que a regulação é muito importante.

Em vários países ocidentais, tem sido implementado um processo de complementaridade na regulação do sector da comunicação social, em que a auto-regulação assume uma natureza complementária à hetero-regulação. Esta consiste numa regulação com sede nos poderes públicos, enquanto que aquela se trata de um sistema de regulação em que os directos envolventes na produção da matéria noticiosa se assumem como actores principais na regulação da sua própria actividade profissional. Portanto, não vou me debruçar muito sobre as conceptualizações teóricos das duas dimensões da regulação da actividade profissional dos jornalistas, o que ficará para uma próxima oportunidade.

Entretanto, importa realçar que a regulação passa, antes de mais, por criar estruturas, organismos e condições para disciplinar, organizar e fiscalizar o exercício da profissão e a organização do sector mediático. Portanto, pode haver duas naturezas de regulação com sede no poder político: a sectorial, que recai sobre um determinado domínio de actividade; e, a profissional, que procura disciplinar uma profissão. Hoje, vou tratar a vertente sectorial da regulação mediática, deixando a profissional para uma próxima oportunidade.

Antes de avançar, devo lembrar que o uso da expressão regulação, neste caso, tem em vista a hetero-regulação, deixando de fora todos os mecanismos auto-reguladores. Posto isto, é possível verificar que, em Cabo Verde, a regulação sectorial tem sido um grande fiasco. Criou-se um Conselho de Comunicação Social no início da nossa caminhada democrática, composto por 9 membros, cuja presidência foi entregue a um magistrado judicial, que, necessariamente, terá que ser indicado pelo Conselho Superior da Magistratura.

Se formos à Lei da Comunicação Social de 1998 (B.O. n.º 21, I Série), notaremos que o Conselho de Comunicação Social foi pensado como um órgão independente, que funciona junto da Assembleia Nacional. O peso parlamentar do órgão é visível já que, como a própria lei consigna, cabe à Assembleia Nacional eleger 3 dos nove membros que compõem o órgão. Também vale a pena lembrar que a substituição dos membros do Conselho da Comunicação Social merece a aprovação de dois terços dos deputados em efectividades das suas funções. Portanto, esse pormenor – que se torna num porMAIOR – é importante reter, como iremos ver mais à frente.

Tendo em conta esses dados iniciais, devo realçar ainda que, como atribuições do Conselho de Comunicação Social, a lei estabeleceu o seguinte: assegurar o exercício do direito à informação e à liberdade de informação; salvaguardar a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião nos meios de informação; providenciar pela salvaguarda da isenção, rigor e objectividade da informação; garantir o exercício efectivo dos direitos de antena, de resposta e de réplica política; contribuir para a garantia da independência e do pluralismo dos meios de comunicação social do Estado; promover a adopção pelos meios de comunicação social de critérios jornalísticos ou de programação que respeitem os direitos individuais; garantir a independência do jornalista e o respeito pela ética e pela deontologia profissional.

Ora, depois de onze anos da aprovação da Lei da Comunicação Social e quase vinte anos sobre a criação do Conselho da Comunicação Social, o que é que temos? Quase nada. É preciso que isso seja dita. A regulação sectorial para a comunicação social em Cabo Verde é praticamente inexistente. O que o Conselho da Comunicação Social faz é emitir alguns pareceres quando são nomeados os directores dos órgãos públicos e pouco mais. Pelo menos, é esse o sentimento dos profissionais da comunicação social e, quase sempre, a sociedade passa ao lado da existência desse órgão que, fosse funcional, seria um excelente instrumento de mediação entre a comunicação social e a sociedade. Portanto, tendo sob a sua alçada uma matéria tão importante como a regulação dos conteúdos da comunicação social, era mais do que necessário que o Conselho de Comunicação Social fosse um órgão actuante na sociedade cabo-verdiana, cuja intervenção deveria ser do conhecimento público. Desta forma, a sociedade sentiria que tinha uma instituição intermediária ao qual poderia recorrer, não esperando para que os casos ganhem figurinos incriminatórios, para que se possa recorrer à tábua judicial. O grande problema é que o Conselho de Comunicação Social possui pouca força institucional e as suas decisões não têm natureza vinculativas, podendo ser valoradas ou não, já que não passam de recomendações. Em algumas matérias específicas, há a possibilidade desse órgão regulador aplicar contra-ordenações em caso de faltas graves aos deveres profissionais, mas não tem recorrido a esse instrumento.

Por outro lado, também há a questão da validade temporal dos mandatos. A este respeito, devo lembrar que o mandato dos membros do Conselho de Comunicação Social é válido por um período de quatro anos e a actual composição já vai para o triplo do tempo estipulado pela lei, justamente por causa dessa mesma lei ter estabelecido que é preciso de dois terços de deputados consensualizados para votarem favoravelmente a uma proposta. Ora, isso significaria duas coisas: que um partido ganhasse as legislativas com maioria qualificada, como aconteceu uma vez com o MpD, dispondo dos dois terços de deputados impostos pela lei; ou, que haja entendimento entre as duas bancadas parlamentares maioritárias (ou não! Basta haver dois terços de deputados dispostos a viabilizarem uma proposta para a composição do Conselho de Comunicação Social. Mas, com a natureza dos partidos que temos, até agora é o MpD e o PAICV que asseguram um número de deputados suficiente para se chegar a esse limiar de dois terços de actuantes parlamentares). Portanto, para ambas as situações, as soluções são difíceis de serem encontradas: tanto é difícil haver uma maioria qualificada, como também difícil será haver um entendimento entre o MpD e o PAICV no sentido de substituírem os membros de um órgão como o Conselho de Comunicação Social ou qualquer outro semelhante, cuja natureza jurídica é idêntica. Tendo em conta a idiossincrasia do povo cabo-verdiano, muito voltado à desconfiança para com aquele que não pensa exactamente igual a um eu qualquer, então conseguir consensos tem sido muito complicado. Neste sentido, temos um Conselho de Comunicação Social que não funciona e, como os partidos não se entendem, continua a não funcionar. Depois, fala-se na falta de qualidade dos órgãos de comunicação social em Cabo Verde. Mas, haverá qualidade nas políticas de comunicação em Cabo Verde? Está-se a pensar efectivamente na dignificação da comunicação social, quando temos um órgão fundamental para a regulação do sector completamente desfalcado, indo para dez anos de caducidade do mandato, sem que ninguém mexa uma palha para mudar este estado de coisas? A revisão da Constituição da República de Cabo Verde não pode ignorar esta situação porque, ignorar a comunicação social, é ignorar a formação das mentes nacionais, a informação dos cidadãos sobre as matérias do dia-a-dia do país e do resto do mundo e, para resumir, a constituição do mosaico cognitivo do cidadão cabo-verdiano. Em suma, é coisificar o processo de aprendizagem das crianças, a maturação dos conhecimentos dos jovens e adolescentes e a solidificação das estruturas cognitivas e argumentativas dos adultos, transformando-os em preocupações menores da sociedade.

A Constituição impõe como regulador do sector mediático o Conselho da Comunicação Social. Esta parte do texto precisa de ser alterada. O texto constitucional deveria prever uma entidade independente, atribuindo-a o dever de regular o sector mediático, sem se avançar com uma designação específica, dando mais margem de manobra à legislação ordinária, para que se possa escolher o melhor figurino para o sector e rejeitar aquelas que provam a sua desfuncionalidade. Assim, nas situações em que uma autoridade reguladora não cumprir minimamente as suas atribuições, sempre haverá a possibilidade dela poder ser alterada ou substituída, de forma a conseguir-se o melhor figurino institucional para a regulação do sector. Como sabemos, é mais fácil alterar uma lei ordinária do que uma Constituição da República. Impor, constitucionalmente, o Conselho da Comunicação Social ou qualquer outra entidade de natureza análoga será, sempre, atrelar o sector da comunicação social a um figurino que não funciona e ao qual não se pode fugir. Sou de acordo de que a resolução de um problema dessa natureza não passa unicamente por mudar a nomenclatura de uma instituição. Antes de mais, passará por criar mecanismos para que as instituições funcionem, independentemente do nome que pode constituir a sua designação. De qualquer forma, dando essa abertura na Constituição da República, em que se pode mudar o figurino institucional, não afastando-se das prescrições da Constituição que apontam para a existência de um organismo independente vocacionado para a regulação do conteúdo dos ‘media’, constitui sempre um passo de suma importância para combater as letargias nas quais o Conselho da Comunicação Social e outras entidades de natureza análoga laboram.

Portanto, há uma necessidade fundamental de se alterar o quadro constitucional da regulação mediática, criando uma entidade independente do Governo e dos partidos, que zele efectivamente para a melhoria do trabalho da comunicação social, impondo exigências, defendendo os direitos dos jornalistas, protegendo as esferas privadas, assegurando a realização do direito à liberdade de imprensa e promovendo a comunicação social no processo de consolidação de uma democracia que, quase 20 anos depois da realização das primeiras eleições multipartidárias, ainda tenta dar os seus primeiros passos, de uma forma algo tímida. Para isso, a autoridade reguladora tem que ter mais poderes, não podendo se confinar apenas a um órgão decorativo, cuja capacidade de intervenção se cinja a meras advertências. É preciso ir mais longe na regulação do sector da comunicação social em Cabo Verde e o período da revisão constitucional surge como um momento ímpar para se avançar nesse sentido. Na comunicação social, tem que haver mais povo e menos partidos; mais sociedade e menos política; mais independência e menos subordinação; mais informação de interesse público e menos informação de interesse político.

A democracia cabo-verdiana tem um grande desafio à sua frente: é os partidos, quando chegarem ao Governo, fazer o seu trabalho e deixar que a comunicação social faça o seu. Os profissionais da comunicação têm que ousar mais e se sentir mais comprometidos com o seu dever profissional. Por fim, deve haver uma regulação mais eficiente. Será que os membros das entidades reguladoras para a comunicação social que se venha a criar em Cabo Verde têm que ser profissionalizados? É uma possibilidade. Quando profissionalizamos alguém, estamos em condições de exigir responsabilidades. Um profissional, normalmente, sente-se obrigado a mostrar trabalho feito e aquele que é digno da profissão e da posição que ocupa na sociedade procura responder às suas exigência para que tenha consciência de que o dinheiro que a sociedade lhe paga é revertido em forma de trabalho prestado. Agora, quando pomos pessoas em lugares fundamentais para a consolidação do sistema democrático a prestarem trabalhos com bases em colaborações cívicas que pontualmente acontecem, é claro que teremos sempre deficiências. Entre ‘prestar favores’, mediante avenças pouco dignificativas, e apresentar resultado no trabalho para o qual efectivamente alguém é contratado, a primeira sai a perder. Portanto, no actual esquema de funcionamento do Conselho de Comunicação Social, os seus membros são apenas colaboradores, que têm as suas atribuições profissionais em outros sítios. O Conselho de Comunicação Social acaba por ficar para trás e, parecendo que não, a sociedade cabo-verdiana tem muito mais a perder do que se imagina. Todos nós. Não apenas uns e outros. A verdade é que muitos dizem que a comunicação social está atrasada, criticam a televisão nacional e outros órgãos de informação do país, mas não procuram as raízes do problema. Enquanto continuarmos a secundarizar a comunicação social, continuaremos a ter uma imprensa amorfa, que não contribui grande coisa para a criação do pensamento divergente na sociedade cabo-verdiana. E pensamento divergente aqui não é poder ser do PAICV ou poder ser do MpD e, não sendo deste, podendo ser daquele ou vice-versa. Esta é uma forma maniqueísta de organização social que nós criámos depois da nossa transição para o sistema democrático e, sem percebermos bem, criamos problemas graves na nossa concepção do modelo democrático que nos deixa atrelados a um ou outro partido, não podendo estar ‘soltos’ entre as duas ‘carruagens’ porque pode-se correr sérios riscos de se ser esmagado.

A concepção do modelo democrático em Cabo Verde resulta da definição de políticas para os sectores chaves para o aprofundamento da democracia, como a comunicação social. Por isso, todos nós temos que lutar e exigir políticas consentâneas com as ambições de uma sociedade democrática. Essas políticas e as condições ideais que as democracias possam nos proporcionar permitem-nos ser nós, seres humanos, livres e com independência de pensamento, e não partidos, cooptados a determinadas amarras de interesses.

Isaltinar, segundo Ferreira Fernandes

Abril 2, 2009 às 8:34 am | Publicado em Política | Deixe um comentário

«Isaltinar foi um belíssimo achado que Isaltino Morais inventou para uma das suas campanhas eleitorais (slogan em 2005: “Vamos isaltinar!”). Belíssimo, mas que eu não entendia. Até Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras, ser agora julgado. No julgamento, ele tem dito: 1) que as suas declarações de rendimentos “não correspondem minimamente ao meu património”; 2) que ele declarava menos do que devia porque “[as declarações de rendimentos] nunca foram levadas a sério” (já agora, então, porque declarou sempre a menos e nunca a mais?!); e 3) que “as sobras das campanhas eleitorais”, anteriores a 2005, depositou-as na sua conta bancária da Suíça, não para “fugir ao fisco”, mas porque “fiz o que toda a gente fazia.” Os pontos 1) e 2) dizem-me que “isaltinar” significa aldrabar o fisco. Não sendo o moralista que aqui vos escreve mas o amante de palavras, estou encantado. Indo mais longe, o ponto 3) diz o que é uma isaltinação pegada. Definição de isaltinação pegada: não chega aldrabar o fisco mas é preciso aldrabar também o próprio partido, ficando-lhe com “as sobras.” » [in DN]

Presidencialismo Militarizado e Direitos Humanos Torturados em Bissau

Março 30, 2009 às 9:36 pm | Publicado em Ponto de Vista | 2 comentários

.

A morte de Nino Vieira – que chocou metade do mundo pela forma como aconteceu – provocou sentimentos contraditórios um pouco por todo o planeta. Por mais que a vida humana seja um bem absoluto, insubstituível, intransponível e igual ou acima de quase todos valores do homem, a verdade é que ainda há pessoas que, quando – fisicamente – desaparecem, provocam sentimentos conflituosos em várias partes do planeta. O cenário da morte de Nino Vieira reproduziu um pouco a atmosfera sentimental que se viveu aquando do desaparecimento físico de Jonas Savimbi. Recordo-me de ter ligado a uma amiga, logo após à morte de Nino Vieira, para saber como andava o estado de ânimo entre os guineenses com quem ela convive e me disse que só não podia dar um grito de alegria porque, no lugar onde se encontrava, havia um familiar do ex-Presidente da República da Guiné-Bissau, que chorava compulsivamente. Por aí, já se vê os contrastes sentimentais que a morte de Nino Vieira causou.

O desaparecimento de Nino Vieira não se trata apenas do assassinato do Chefe de Estado de um país soberano. É um fechar de ciclo para um futuro cuja projecção ainda é dúbia. Nino Vieira, para além de ter sido Presidente da República, era a simbologia da liberdade guineense. Liberdade que ficou presa ao processo de independência, já que a verdadeira liberdade ultrapassa o simples hastear da bandeira nacional, em reconhecimento da independência de um povo. Nino Vieira pertence ao grupo daqueles que prometeram, em África, aos seus concidadãos que lutariam, pondo em perigo a sua própria vida, para recuperar-lhes as suas liberdades que foram levadas pela vontade expansionista dos europeus, que, na procura de encontrar alternativas aos problemas pelos quais passavam, confundiram os africanos com bois, burros e cavalos, transformando-os em ferramenta com as quais alimentariam a boa vida que queriam ter. Desta forma, se num primeiro momento, houve alguma hesitação entre os africanos – do tipo: negro a governar negro! –, posteriormente houve uma grande adesão a essa ideia e os africanos acreditaram que os revolucionários iriam conquistar as suas liberdades e devolvê-las. Mas, a verdade é que as coisas não aconteceram por esta ordem de ideias e, depois da independência, percebeu-se que havia muito mais interesses em controlar os poderes do que propriamente assegurar as liberdades fundamentais das pessoas. Instalou-se, em muitos países, um regime monolítico caracterizado de Democracia Revolucionária, em que a vertente revolucionária se sobrepôs, e de que maneira, à democrática. Desta forma, muitas pessoas acabaram por deixar cair a teia da ilusão de que os seus direitos um dia regressariam aos seus perímetros de realização pessoal.

A Guiné-Bissau é um dos piores exemplos do que, de pior, aconteceu em África depois da descolonização. Não é o único, mas está entre os piores. Lembro-me de um trabalho sobre a cultura cabo-verdiana que apresentei em Coimbra no curso da minha Licenciatura e tive que fazer uma pequena contextualização sobre a história política do nosso arquipélago. Era uma cadeira de Cultura Portuguesa e a professora desafiou-me a fazer um trabalho sobre a Cultura Cabo-verdiana, ao que aceitei de imediato. Na contextualização que eu fiz da história política de Cabo Verde, percorri um pouco o período colonial, passei pela independência de 1975 e cheguei à ruptura com a Guiné-Bissau. Aí a professora pediu a palavra para dizer que a verdadeira independência de Cabo Verde aconteceu aquando da ruptura com a Guiné-Bissau porque, segundo ela: ‘ai de vocês, se não se tivessem separado da Guiné-Bissau. Estariam condenados ao fracasso’. Pode concordar-se ou não com essa interpretação, consoante as tendências de análises, mas não deixa de haver alguma dose de realismo nessa visão das coisas. A história não se faz de se’s, mas a trajectória política da Guiné-Bissau permite-nos criar reservas sobre a possibilidade de haver, ou não, êxito na coligação governamental entre os dois povos.

Depois da separação política, instalou-se na Guiné-Bissau um sistema de organização social que – em teoria se categorizou de Regime Presidencialista – mas, na prática, a Ciência Política tê-la-á de explicar. Não se trata de um sistema Presidencialista porque o Presidente da República está refém dos militares, quando ele mesmo torna o Governo refém dos seus caprichos. Também não há laivos de ser um regime Parlamentar, já que a ditadura das armas sobre a força da lei é evidente e os militares têm mais força na geografia dos poderes do que se imagina. Nessa guerra entre a lei e as armas, acabou-se por instalar um regime a que eu chamaria de Presidencialismo Militarizado, já que, o sucesso de qualquer período governacional depende, senão de um entendimento explícito, pelo menos, de uma espécie de ‘pacto de não agressão’ entre o Presidente da República e quem comanda as Forças Armadas. O Governo acaba por ser sempre o parente pobre desse sistema, não de distribuição de poderes, mas de guerrilha em prol de zonas de influência na geografia do poder de decisão. Teoricamente, alguns mandam; praticamente, todos mandam; em determinados momentos, ninguém manda. Nessa confusão de luta pela capacidade de decisão do país, adoptou-se a estratégia de ‘limpar’ os adversários, fazendo pactos com os inimigos, aumentando o espectro de manipulação da população, calando as vozes discordantes das parecerias políticas instaladas, combatendo os pensamentos divergentes e aceitando a transição militar dos governantes, em detrimento da expressão da vontade pública nas urnas. Portanto, tudo ao contrário do que foi prometido às pobres almas que sonhavam com dias em que se sentiam gentes respeitadas nos seus próprios territórios. O espectro de violência é acompanhado pelo avolumamento da miséria, a pobreza assola o país, as carências dizimam a população, os buracos aumentam pelas ruas de Bissau e cada vez mais a força da droga aproveita o vazio de decisões que a guerra dos poderes deixa para se impor como a lei do país. Portanto, uma completa aniquilação da legítima expectativa do sofrido povo da Guiné-Bissau.

No entanto, havia uma réstia de esperança, da parte de algumas pessoas, de que o dia em que Nino Vieira resolver se reformar da política e, com a necessária substituição da geração dos governantes, a situação ir-se-ia melhorar. Da forma como as coisas aconteceram, ninguém sabe, ao certo, desenhar um futuro para aquele país. Neste momento, com o desaparecimento físico do antigo Presidente Nino Vieira (este que está lá por substituição dificilmente conseguir-se-á impor, tendo em conta a forma como as coisas andam), a força dos militares está a sobrepor-se às demais e começou uma intensa ‘caça às bruxas’, sendo que as vozes discordantes correm sérios riscos de serem caladas. Uma delas é a de António Aly Silva, jornalista experimentado, que já teve uma passagem pelos militares e que, no seu blogue na Internet (ditaduradoconsenso.blogspot.com), tem tomado posições contundentes, denunciando as situações (a)normais que acontecem no país, perante o olhar impávido de um Governo inoperante que não quer dar um pio porque naquela terra os militares não brincam. No dia 27 de Março passado, quando as mulheres cabo-verdianas comemoravam o seu dia, António Aly Silva desabafava no seu blogue na Internet: “a noite de ontem, não foi seguramente das minhas melhores noites. Nem a madrugada – que ainda nem a meio vai – está a ser. Ontem, por diversas vezes, gentes ‘visitaram’ a minha residência na Rua de Angola. Alertado por meia dúzia de chamadas (uma delas do estrangeiro), procurei proteger-me da melhor maneira. Percorri, a pé, correndo sérios riscos, grande parte da escuridão de Bissau para me salvaguardar. Consegui recuperar o computador e outras coisas. Enfim, o indispensável. E até agora…”, acrescentando que “o Governo guineense não diz uma palavra que seja sobre o que está a acontecer neste País. Foge a sete pés no parlamento quando lhe cheira que o assunto é a classe castrense. E nós? Nós vimos bazucas e AK 47 diariamente, somos revistados de uma ponta à outra e humilhados. Andamos 5 quilómetros e parece que já estamos a atravessar a fronteira para o Senegal… As pessoas estão a ser presas arbitrariamente, são assustadas, quiçá espancadas, agredidas de todas as formas, e o Governo nem pia!!!”.

 Enquanto a dita Comunidade Internacional – que, quando é para as coisas boas tem sempre rostos, mas nesses casos complicados prefere ‘viver’ como um fantasma – continuar em reuniões e mais reuniões para, alegadamente, encontrar uma solução para a Guiné, há pessoas, como nós, a correrem à frente de AK 47 para verem se conseguem salvar a vida. Isso é duro de imaginar. A vida que, como dissemos no início desse artigo, é um bem absoluto, intransponível e insubstituível, está a ser transformada em algo sem valor nenhum, que pode ser tirada por mero capricho. E nós fingimos que não estamos a ouvir esses gritos: tenhamos Santa Paciência. Quem tem capacidade de intervenção tem que fazer alguma coisa. São pessoas como nós que estão a sofrer e a correr risco de vida. Não fiquemos pelas reuniões de salões de tapetes vermelhos. Se tiver que se mandar uma força militar internacional para a normalização da situação, que seja. O importante é que é preciso salvar vidas e defender os direitos das pessoas. As instituições que lutam pela protecção dos Direitos Humanos também têm que se expressar, pressionar quem pode agir, denunciar e colaborar no que for possível. Não é deixar até que um navio de emigrantes ilegais venha encalhar nas nossas encostas para estarem a dizer que não é assegurada o direito desses viajantes. Os Direitos Humanos não têm fronteiras. Quando é para protegê-los, têm que ser protegidos em todas as suas latitudes, longitudes, atmosferas políticos, ambientes sociais, naturezas de regimes ou pessoas, pobres, ricas, negros, brancos, ou outros. A verdade é que, na Guiné-Bissau, os Direitos Humanos estão a ser ‘torturados’ e, aparentemente, ninguém faz nada. Pelo menos, não se vê grande coisa. António Aly Silva diz que “a comunidade internacional tem de agir, e já! Há que acabar com os desmandos, as provocações, o mostrar a força. Se isto continuar assim, o povo guineense endossará uma boa parte das responsabilidades à própria comunidade internacional – que não está a ser justa em todo este processo. Andam todos na negociata, como se estivéssemos na ‘City’”.

Quem esteve atento, nos últimos dias, também deu conta da prisão do advogado Pedro Infanda, que fez correr muita tinta. Ora, se a gestão do país está entregue aos militares, que se assuma isso e que as pessoas que lá estão fiquem a saber claramente com quem contar. Não pode permanecer essa situação dúbia em que, parece que ninguém manda, quando todos mandam, menos o povo. Portanto, o Presidencialismo Militarizado fez o que fez à Guiné. Mas, não podemos deixar que a Tortura aos Direitos Humanos passe por cima das pessoas, esmagando-as pela força das suas armas como se elas fossem coisas inertes. Se em muitos lugares, defende-se direitos dos animais, alguns já falam no direito das plantas, nós temos que ter, pelo menos, a coragem de defender direito de homens como nós. E na Guiné já se ouve vozes a soar. Não finjamos que não estamos a ouvir. Precisam de nós. São filhos de um mesmo Deus como nós pelo que merecem atenção e protecção.

Revisão Constitucional lança polémica

Março 24, 2009 às 12:54 am | Publicado em Política | Deixe um comentário

.

Em Cabo Verde, está sobre a mesa a matéria da Revisão Ordinária da Constituição da República. Os dois principais partidos políticos – MpD e PAICV – já têm pronto os seus projectos. Por outro lado, conta-se ainda um terceiro projecto, pertencente ao deputado Humberto Cardoso, eleito pelas listas do  MpD. Um bocado em rota de colisão com o seu partido, Humberto Cardoso apresenta um projecto próprio e lança polémica no seio do partido, ao dizer que o regresso em massa dos antigos militantes do PRD para o MpD pode fragilizar este porque pode-se criar aqui uma facção ideológica suportada pelas ideologias daquele. Em entrevista ao Expresso das Ilhas, Eurico Monteiro – antigo líder do PRD, agora de regresso ao MpD – diz que Humberto Cardoso é igual a zero: “Humberto Cardoso não é nada, não representa nada, não representa ninguém. É uma voz isolada que não tem uma única orelha disposta a ouví-la. Nós estamos a discutir sobre pessoas que não representam nada, não são nada”. [in Expresso das Ilhas]

Polémica de fora, a verdade é que Humberto Cardoso deu um passo interessante. Trouxe para a blogosfera o debate sobre a revisão constitucional, pelo que criou um blogue específico para isso. Quem quiser conhecer o seu projecto é só clicar AQUI.

 O debate sobre a revisão constitucional já saltou as águas de Cabo Verde e chegou à Europa. No fim da semana passada, a comitiva do MpD esteve em Portugal a promover discussão com a comunidade pensante na diáspora sobre o assunto. O resumo do encontro está numa reportagem por mim feita, que foi publicada AQUI.

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.