‘Rimas no Deserto’: o meu primeiro livro de poesia

Julho 15, 2009 às 12:59 am | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

No mês de Setembro, sairá, no mercado, o meu primeiro livro de poesia. Intitulada Rimas no Deserto, a obra reúne uma colectânea de poemas que foram escritos durante várias etapas. Tem um título curioso. Procura-se, com este título, essencialmente tentar captar as dificuldades de vida de pessoas de diversas camadas sociais e partes do globo que, muitas vezes, perante um deserto de oportunidades, tem que rimar (que, metaforicamente, aqui quer dizer remar, lutar, contrariar as adversidades da vida) para continuar a viver e manter vivo a esperança de alcançar uma vida com mais dignidade e tranquilidade. Portanto, Rimas no Deserto está a caminho. Para adquirir um exemplar, contacta-me já a partir do e-mail: jornalmedia@hotmail.com. Encontrar-nos-emos, mentalmente, nas leituras. Até lá.

Anúncios

As últimas imagens de quando a Pop atingiu o tecto

Julho 13, 2009 às 6:14 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Michael Jackson

Junho 26, 2009 às 6:30 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Michael Jackson teve 50 anos para quebrar preconceitos, mudar a concepção da vida, da existência humana, das cores e da própria música. Apesar de todas as controvérsias que marcaram a sua passagem por este mundo, prefiro guardar uma Michael maior, que está acima de pequenas coisas mundanas. Portanto, para mim, fica esta imagem.

Cidade Velha: uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo

Junho 10, 2009 às 10:54 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Cidade Velha, situada na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, acaba de ser escolhida como uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo. De entre um rol de 27 candidatos de três continentes, a Cidade Velha conseguiu salvar a África Lusófona, já que as candidaturas provenientes de Angola e Moçambique não passaram. De resto, do lado africano, também conta a escolha de uma das maravilhas do Marrocos. Desta forma, a primeira Cidade portuguesa fora de portas está de parabéns, assim como Cabo Verde e todo o seu povo. Por agora, é esperar o desfecho da sua candidatura a Património Mundial da Humanidade. Também há um longo trabalho de reconstrução, preservação e protecção das ruínas da Cidade Velha para que torne, cada vez mais, numa maravilha viva e não numa maravilha morta.

Artista da Semana

Maio 9, 2009 às 6:43 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | 1 Comentário

ISA PEREIRA

Que se lançou recentemente, da Ilha de São Vicente, para cantar Cabo Verde ilha a ilha, não deixando de fora Santa Luzia que, por ser desabitada, tem uma outra poesia, marcada pelo silêncio da natureza contrastada com rasgos de ‘choros’ de pássaros que ali pousam.

Analisado em várias perspectivas, o primeiro disco de Isa Pereira parace um auto-retrato: por um lado, aparenta ser o auto-retrato de um país unido na diversidade das suas ilhas; por outro, um auto-retrato da própria artista que bem consegue personificar o disco nesse título de “Kriola Enkantu”.

Revelando-se numa entrevista bastante intimista que concedeu ao A Semana, Isa Pereira afirma que encara o seu “primeiro trabalho discográfico como um conceito só meu de Cabo Verde. Daí, deixar-me guiar muito pelo meu instinto, pela minha voz interior e pelo meu coração. E assim, quase em êxtase chegou-me o título: “Kriola Enkantu”. Então, lembrei-me de Santa Luzia, quis destacá-la e escrevi este tema com a intenção de consciencializar os cabo-verdianos para a necessidade urgente de preservarmos, valorizarmos essa e outras reservas ecológicas de Cabo Verde”. [in A Semana]

Tendo as ilhas da morabeza como o ‘suco’ da sua música, Isa Pereira lembra que canta “um Cabo Verde em que a crioulidade se expressa através da nossa mestiçagem, que se traduz na nossa maneira de estar e de sentir, fruto de várias influências, de culturas de diferentes países. Tudo isso se reflecte nos géneros musicais, nos arranjos, na lírica e nos compositores seleccionados para este disco. O resultado é um álbum com 11 faixas que traz géneros como a Bandera da ilha do Fogo, a Koladera inspirada numa viagem que fiz a Salvador da Bahia e que homenageia a alegria e a sensualidade da ilha de São Vicente, a valsa a representar Santo Antão, o Finaçon-Batuku para Santiago, o Funaná-Tabanka enaltecendo a diáspora cabo-verdiana, o Kola San Jon tradição da ilha de São Nicolau, a mazurca que lembra a beleza da Boa Vista e a morna exaltando a ilha Brava”. [in A Semana]

Devemos lembrar ainda que a nossa ‘Kriola Enkantu’ é licenciada em Relações Públicas pela Pontífica Universidade Católica de Belo Horizonte, Estado brasileiro de Minas Gerais. Filha de cabo-verdianos vincados na música tradicional do país, Isa Pereira nasceu em 1974, tendo começado a trilhar o mundo da música a partir de 1998. Tem já alguns ‘quilómetros de estrada’ feitos, tanto dentro do país como no estrangeiro, desdobrando-se entre a construção de uma carreira musical e o trabalho de Relações Públicas.

  

Artista da Semana

Abril 18, 2009 às 9:42 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

.

DINA MEDINA

 

Uma voz potente da música cabo-verdiana, que há muito não tem aparecido em trabalhos a solo e que, naturalmente, deixa muitas saudades. Destacamos Dina Medina esta semana por ter surgido recentemente, num registo nada habitual, a cantar morna. A artista que é da geração dos ‘cabo-zouks’ surge agora a arrepiar novos caminhos, merecendo elogios de cantores consagrados, como o incomparável Bana, que diz: “surpreendeu pela positiva é a Dina Medina, ao ouvi-la cantar duas mornas gostei imenso e pedi à Dina para continuar a cantar a morna; ela tem uma voz esplêndida. Uma voz assim é que precisamos para cantar as nossas mornas com sentimento. Fiquei muito emocionado com a actuação da Dina e, no fim, dei-lhe um beijo na testa como prova do nosso reconhecimento pelo talento patenteado” [in Liberal]. Há muito que a artista não nos apresenta novos ‘hits’, deixando saudades das suas belas canções. Destacamos Dina Medina também pelo papel que teve durante a década de 90 na dinamização da música moderna cabo-verdiana.

Dina Medina, dona de uma voz singular, começou no grupo Gil & Perfects, com os irmãos Gil Semedo e Vado Semedo que, a partir de Holanda, edificaram um grande agrupamento musical, que marcou a juventude cabo-verdiana e não só. Na altura, também contava-se um grupo de peso, Livity, que fazia sucesso um pouco por todo o mundo, contando com nomes sonantes da música cabo-verdiana, como Kino Cabral, Zé Carlos ou o emblemático Jorge Neto. Depois do seu percurso no grupo Gil & Perfects, Dina Medina foi juntar-se a outros tantos músicos cabo-verdianos, especialmente de Barlavento – entre eles, Grace Évora –, para erguer o agrupamento musical Splash, que não tem deixado os seus créditos por mãos alheias.

No entanto, se na segunda metade da década de 90 Splash surpreendia o público pelo número de CD’s que lançava, muitas vezes em curto espaço de tempo, hoje são poucos os discos que colocam à disposição do público. Daí que, estando desde há muito em ‘stand by’ na sua carreira a solo, Dina Medina não tem aparecido no mercado discográfico cabo-verdiano. Pelo trabalho feito, pela potência musical da sua voz e pela bela reaparição a cantar a ‘saudade crioula’ na melódica morna cabo-verdiana, destacamos Dina Medina, esperando que, dentro em breve, regresse em grande.

Artista da Semana

Abril 10, 2009 às 9:48 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

ENEIDA MARTA. 

 

 

Que junto com outros artistas da Guiné-Bissau lançou, recentemente, uma música que procura reproduzir a atmosfera fúnebre que se instalou na Guiné-Bissau, depois do assassinato do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e do Presidente da República (João Bernardo “Nino” Vieira). Depois desses acontecimentos, Bissau, praticamente, se transformou numa cidade seteada, com o domínio dos militares sobre qualquer outro órgão da soberania. Foi esta situação toda que inspirou Eneida Marta e outros artistas do mesmo país a comporem o título ‘Limárias’, tentando alertar aos homens que se Deus lhes concedeu a razão é para agirem diferente das alimárias.

 

Eneida Marta é dona de uma longa e prestigiada carreira musical, tendo-se destacada essencialmente na música tradicional. Já teve incursões pela música árabe, mas é sobretudo na música tradicional africana, guineense com tendências cabo-verdianas, que se situa grande parte do seu repertório. Mostrando ser uma artista não só para o palco, o pequeno ecrã e a luz fotográfica, Eneida Marta também se move por causas sociais, procurando usar a música para aprumar a consciência dos cidadãos do seu país. Por tudo o que tem feito, é a artista que hoje destacamos: Quem quiser ouvir a música “Limárias”, faz favor de CLICAR.

Marcar presença…

Setembro 25, 2008 às 10:05 am | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Nos últimos tempos, os ‘posts’ têm caído muito pouco aqui no NÓS MEDIA. Pois é… muitos afazeres. Pouco tempo. Mas, ainda continuamos aqui… continuamos aqui para falar sobre as coisas que acontecem no mundo dos media e do jornalismo, mesmo que o tempo para actualizar o blog não seja muito. Já tivemos dias mais activos. Mas, eles virão 🙂

NÓS MEDIA.

Férias

Agosto 7, 2008 às 4:17 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | 1 Comentário

Ídole da juventude ‘volta’ com Cabopop

Junho 20, 2008 às 4:21 pm | Publicado em Revista NÓS MEDIA | Deixe um comentário

Quer se goste ou não, Gil Semedo é dos artistas que opera no segmento da música moderna cabo-verdiana, perante quem ninguém fica indiferente. Uns criticam, outros gostam assim assim e muitos o adoram. Não é por acaso que é dos que mais vende e dos poucos que sobrevivem apenas dos negócios ligados à música. Está de volta, com ‘Cabopop’. Será que tem algo a ver com o Caboswing, que fez história na década de 90? É só confirmar, indo à página pessoal do artista, que também está presente no My Space e no Hi5.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.